domingo, 3 de agosto de 2014

O Templo de Salomão e a veneração dos nossos templos


O assunto da semana foi o "Templo de Salomão" construído e inaugurado em São Paulo pelo Bispo Macedo, com a presença de Dilma Rousseff e outras autoridades. Não quero, aqui, discutir a grandiosidade da obra nem tocar em outros pontos já amplamente debatidos nas redes sociais. Que se trata de um sacrilégio, não há dúvida. Mas o meu objetivo é, em poucas palavras, mostrar como o templo, de maneira geral, pode ser compreendido à luz da Nova Aliança em Cristo.

Convém ressaltar, de início, que a atitude de importar liturgias do judaísmo tem sido característica das igrejas que se enveredaram pelo caminho do neopentecostalismo. Não é "privilégio" só de Macedo. A presença da "Arca", hoje, predomina em muitos ambientes evangélicos e até mesmo em igrejas históricas. A diferença é que o Bispo da Universal foi mais longe e, com a construção do templo, incorporou com pompa e luxo os ritos judaicos. Parece mais uma jogada de marketing do que outra coisa, na tentativa de dar outro impulso ao crescimento de sua igreja, que vinha estagnada nos últimos anos.

É interessante observar, também, que Luiz Felipe Pondé, em seu ensaio sobre a inauguração do "Templo de Salomão", publicado na Folha de São Paulo, tocou no ponto central da celeuma. Com a teologia da prosperidade, o neopentecostalismo (em que a IURD desponta como o carro-chefe), quer assimilar o "paraíso" prometido por Deus em sua aliança com Israel, mas se nega a aceitar a outra parte do pacto, que já levou a nação judaica a experimentar os momentos mais tenebrosos da história. Portanto, essa "judaização" urdiana e neopentecostal é um contrassenso por querer apenas o que poderíamos chamar de "lado bom" da moeda.

Mas vamos ao que aprendemos sobre o templo na Nova Aliança. O próprio Jesus em seu diálogo com a mulher samaritana (leia João 4) já o desvestiu dessa sacralidade. Para ela a questão não era apenas onde adorar, mas qual o lugar da verdadeira adoração. Em sua resposta, Cristo foi ao cerne: valorizou mais a atitude do que o lugar. Ou seja, não é este que importa, mas a devoção santa de quem o usa. Nesse sentido, o "templo" pode ser o quintal da nossa casa desde que, ali, o nosso coração seja pleno de adoração a Deus. Isso é o que conta. Em outra ocasião, embora tratando da disciplina na igreja, Cristo deixa claro que uma reunião cristã só tem valor se for feita em seu nome, sem, no entanto, dar primazia ao lugar, Mateus 18.20.

Quando chegamos em Atos, descobrimos que as reuniões cristãs tinham predominância nas casas. Certamente os apóstolos iam ao templo judaico por serem judeus, sendo muito provável que ali se reunissem, na área do pátio, para também proclamar o nome de Cristo. Mas a importância do templo judaico perde todo o significado para o então incipiente cristianismo. É tanto que este foi o ponto de maior tensão entre Estêvão e os que o combatiam a ponto de levantarem falsas acusações contra ele. Em dado momento do seu discurso diante de seus algozes, o primeiro mártir cristão tocou na ferida: "O Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens", Atos 7.48. Mais tarde Paulo também repetiu o mesmo conceito no areópago, Atos 17.24.

Como se percebe, a ênfase deixou de apontar para um lugar sagrado, tornando-o secundário, e trouxe a Presença para a vida orgânica da Igreja - o Corpo de Cristo - que se reúne em diferentes lugares e sob as mais diferentes condições, sem primazia para esta ou aquela "casa de adoração". Esta verdade está pontuada em todas as epístolas e transparece nas diferentes formas em que os cristãos primitivos se reuniam para a vivência comunitária da fé. Vale ressaltar, inclusive, que nos primeiros três séculos da era cristã havia templos pagãos, mas não havia templos cristãos. Estes só aparecem com a constantinização da Igreja, que se torna a religião oficial do Estado, e passa até mesmo a usar os templos antes dedicados ao paganismo. É a partir daí que o templo como local de culto a Deus começa a fazer parte da história cristã.

Considerados os pontos acima, se a construção do "Templo de Salomão" por Edir Macedo, com a incorporação dos ritos judaicos, é uma das maiores blasfêmias contra Deus, não menos pecaminoso é sacralizar qualquer outro lugar, como se a Presença dependesse de templos feitos por mãos humanas para neles habitar. A Nova Aliança não se baseia em ritos, a não ser na obra vicária de Cristo, e não fez de um templo o meio para aproximar o homem de Deus. Temos apenas dois sacramentos - a ceia do Senhor e o batismo - que necessariamete não precisam de um templo para serem oficiados.

É óbvio que, com isso, não quero menosprezar o lugar em que a igreja local congrega, não importa se num templo de alvenaria ou numa casa de pau-a-pique. Mas pecamos em sacralizá-lo, dando maior valor a ele do que ao povo de Cristo que ali se reúne, gastando fábulas de dinheiro para orná-lo como um objeto sagrado. Pecamos ainda mais quando introduzimos no nosso culto ritos e objetos que tinham sentido na Antiga Aliança (arca, shofar, candelabro etc), como sombras das coisas futuras, mas que hoje não fazem sentido algum, já que a história da fé está centrada na glória da cruz de Cristo.

Isso vale para Edir Macedo. Isso vale para todos nós.

5 comentários:

Samuel Guedes disse...

Parabéns Pr.Geremias e candidato a Deputado Federal. A grande realidade está posta "nua e crua". Minha oração é que: VOCÊ POSSA FAZER A GRANDE DIFERENÇA LÁ EM BRASÍLIA COM UMA POLÍTICA MAIS JUSTA.
N° 2213. PAZ.

Pr. Ronaldo Lucena disse...

Muito bom Pr. Geremias. Esse regresso à sacralidade dos templos, que, bem colocada pelo sr, não pertence é prática somente das igrejas neopentecostais, é a principal ferramenta da institucionalização eclesiástica. Imagine os "reis" sem "palácio"? Ministérios sem patrimônios? A quem interessaria um aprisco sem cercas? Se um dia conseguíssemos retornar à proposta de Cristo, talvez, ao invés de falarem "vamos à Igreja", as pessoas diriam "a Igreja veio até nós".

Tadeu de Araújo disse...

Pastor Geremias, graça e paz!

Não concordamos com diversas atitudes do "bispo" Edir Macedo, mas reconhecemos sua destacada capacidade administrativa.
Em relação ao suposto "Templo de Salomão", cremos que os irmãos da Universal devam utilizá-lo à adoração, ainda que, de maneira inocente, não saibam que o Macedo, hoje mais do que nunca, é o maior "líder" de igrejas neopentecostais que quer judaizar o cristianismo.
Aliás, não nos surpreendamos, se por esses dias, animais forem sacrificados no altar.
Além do mais, não fiquem pasmados se judeus fizerem grandes doações financeiras.
Se não estamos sendo injusto, o citado "bispo", com a grande obra construída, também quis engrandecer o seu nome, e não de Jesus cristo.
No entanto, não esqueçamos que também, em nossas igrejas, melhor dizendo, Assembleia de Deus, infelizmente, temos "pastores", que se procedem da mesma maneira no tocante ao destaque desenfreado.

Em Cristo,

Tadeu de Araújo

MARCOS MARTINS disse...

Falar o que? Perfeita analise e brihante conteúdo teológico e historico. Reafirmo o meu voto PASTOR GEREMIAS DO COUTO - DEPUTADO FEDERAL, Meu e de minha família.
Marcos Rodrigues, Pr.

Marcos André disse...

Pr Gerenias, muito boa essa análise, espero que o povo de Deus possa entender que a unção de Deus não está presa a objetos e lugares, mas que o Senhor se importa com pessoas, que são Seus templos. Nós somos a última casa de Deus, onde a glória é maior do que a da primeira.
Que o Senhor abençoe a sua vida e campanha estarei orando por você.

Marcos André
Editor do CLUBE DA TEOLOGIA
http://marcosandreclubdateologia.blogspot.com.br/