terça-feira, 16 de julho de 2013

Não somos gado, Dilma Rousseff


Não faz muito tempo, um grupo de pastores esteve com a presidente Dilma Rousseff. Ontem foi a vez de um grupo de cantoras evangélicas. Segundo o ministro Gilberto Carvalho, esses encontros têm como propósito estreitar o relacionamento da governante com os movimentos sociais.

Algumas coisas, no entanto, me chamam a atenção. A iniciativa só começou a ser construída após as manifestações com o claro objetivo de tentar reverter a crescente perda de popularidade da presidente por sua falta de sintonia com as aspirações da população. Até então, ela se mantinha fechada em copas, aliás, no Palácio, para esse tipo de aproximação.

Outro ponto a destacar é que cada grupo convidado assume para si a condição de representante do povo evangélico, quando, na verdade, não temos nenhuma voz institucional com procuração para falar em nosso nome. Cada grupo fala, no máximo, representando o próprio grupo. Somos diversificados e as nossas lideranças não são ainda capazes de estar unidas em questões dessa monta.

Realço, ainda, que esses encontros não soam bem aos meus ouvidos por lhes faltar, salvo melhor juízo, o exercício da voz profética. Eles transcorrem, a meu ver, no ritmo da tietagem muito comum em shows de “celebridades”. É foto pra lá, foto pra cá, mas nenhuma comunicação concreta sobre os assuntos discutidos.

É válido orar por todas as autoridades. Aliás, é recomendação bíblica. Mas é no mínimo negligência deixar de aproveitar oportunidades como essas para discutir uma pauta definida que contemple os anseios da população e confronte os erros do governante com suas medidas injustas, opressivas e destruidoras dos valores que sustentam a sociedade. Mas se fosse para ser assim, certamente não seriam convidados. 

É nesse sentido, também, que falo sobre a falta de relevância, incluindo aqui os nossos parlamentares, ressalvadas as devidas exceções. Pensam mais no seu umbigo do que nos interesses da população. Muitos lá estão apenas para fazer “negócios”. É só rastrear um pouco a sua história.

Sobre vida pública, creio que todos nós deveríamos aprender um pouco com Abraham Kuyper, William Wilberforce e, mais recentemente, no Brasil, com Guaracy Silveira. Foram homens que honraram o Evangelho em favor do povo e não com essa triste sina de eleger evangélicos para lutar pelos nossos interesses ou pelos interesses deles mesmos.

Bem, voltemos ao tópico. Precisamos estar com os olhos bem abertos. Esses encontros, da forma como acontecem, nada mais são do que estratégia eleitoral para engabelar os cristãos. É uma tentativa de nos tratar como gado, como se não tivéssemos voz ou fôssemos “maria vai com as outras”. 

Desejo, sim, que a presidente Dilma Rousseff nos ouça, não nos olhando como mero curral eleitoral, mas como voz profética que tem muito a oferecer para a construção de um país mais justo e mais próspero. Fora isso, essas idas ao Palácio não passam de quimeras.

9 comentários:

Georges disse...

Quando li o título, tomei um susto: pensei que o irmão estaria a fazer um protesto à presidente, no sentido de ser mais voz a "reclamar nossos direitos". Felizmente, rapidamente, essa impressão se desfez.
Assino embaixo de tudo que escreveu.
Abraços,
Georges
(http://doa-a-quem-doer.blogspot.com.br/)

MARCOS MARTINS disse...

Caro Pastor e Amigo Geremias do Couto,

O senhor não acha que 19 dias sem notícias é muito tempo? Estavamos preocuoados e saudosos dos comentarios, ricos como i postado hoje.
Marcos Rodrigues, Pr.

Newton Carpintero, pr. e servo. disse...

Caro pr. Geremias do Couto,

A paz amado!

É Muito Triste, saber deste encontro.

Deseam transformar o mal e a mentira de uma hora para a outra com agrados.

O poder político e o interesse próprio pelo benefício pessoal no Brasil, tem destruido aos muitos que sucubiram em suas ciladas.

Orar pelas autoridades, não significa orar com elas, por interesse próprio, mas sim, decidir no aludido momento, exercer-se a plena autoridade em dismistificar o que avaliam de cada crente de maneira injusta e deprimente por interessados em cargos e posições que emanam do governo em troca de favores seculares.

Creio que a senhora "PRESIDENTE", (detesto a qualificação de presidentA), deveria ouvir com representatividade os motivos extremos sobre as ABOMINAÇÕES, bem à sua frente, que sucumbem, à perfeita vontade de Deus.

Qualquer que deseje no mínimo, possuir respaldo correto para as suas atribuições na liderança de um país deve ser coerente com a verdade e o compromisso social ao melhor à Família e não a destruição da Família.

A presença de verdadeiros servos de Deus ao Palácio Governamental, deve ser aferido com muita atenção.

Não há mais tempo para as mudanças necessárias!

Se calarmos, será o mesmo que aceitarmos o casamento gay, a adoção por gays, bem como, a forma de assassinato através do aborto e o resultado da promíscuidade será a armadilha elaborada pelo príncipe deste mundo, bem conhecido por diabo e posta à funcionar de uma maneira bem atrativa aos olhos do mundo secular e cristão.

Será que as cantoras a advertiram sobre a desgraça que virá ao governo desta senhora através da falta de respaldo bíblico?

Será que as cantoras somente se conduziram como artistas do show gospel?

Será?

O Senhor seja contigo, nobre pastor,

O menor.

disse...

Concordo com o senhor, mas a culpa maior são dos próprios evangélicos, ou seja estes aí que não nos representam, mas a nomenclatura Evangélica pega todos nós. Infelizmente somos como gado nas mãos de um pastor que não passa de um senhor feudal no comando de um grupo de campesinos que lhe seguem por medo de desobedecer ao "ungido intocável do Sinhô" nos tornando votos de cabresto nas mãos de religiosos corruptos. Como eu disse no facebook:não consigo ver João Batista sentado a mesa dando gargalhadas com Herodes, com inimigos da cruz. Sugiro que os evangélicos aproveitem a vinda do papa e devolvam a igreja para ele e ainda peçam perdão. Porque depois dessa reunião com o Governo corrupto com a desculpa de orar por ela e de cantarem "A VITÓRIA DA DILMA TEM SABOR DE MEL" - Durante a audiência, Dilma orou com os presentes e ouviu a cantora Damares cantar um de seus hits, "Sabor de mel". "Deus vai te levantar das cinzas e do pó", diz a letra. Seria bem mais cristão devolver a Igreja. rs rs

Anônimo disse...

Muito, muito bom o texto. Estou enojado disso tudo.
Marcelo
Natal/RN

Eliel Barbosa disse...

Caro Pr. Geremias,

Paz em Cristo Jesus.

Alguns irmãos cristãos, que se destacam na música, na pregação e na liderança entre nós, são usados como se fossem representantes do povo evangélico para funcionar como voz do segmento em apoio ao governante sob pressão. Repito. São usados.

Penso que este acesso é bom, pois reconhece que o segmento cristão no Brasil tem crescido e que pode influenciar, pra melhor, as políticas públicas.

O problema é que estes nossos irmãos, quando convidados para um encontro deste tipo, esquecem que não são "astros ou estrelas do entretenimento tupiniquim" e, sim, filhos amados de um Pai contrariado por um governo que rejeita suas orientações.

Como filhos de Deus, deveriam expor com contundência o que Deus pensa sobre o Brasil, seus políticos e suas políticas. Deveriam aproveitar estas oportunidades não apenas para orar, mas, também, para conclamar nossos governantes ao arrependimento e a voltar-se para Deus.

Faço algumas poucas perguntas: Será que estes filhos de Deus sabem o que Deus pensa sobre corrupção, injustiça, aborto e homossexualismo? Será que estão dispostos a sofrerem as consequências de uma posição firme contrária ao viés autoritário, imoral e ateu deste governo?

Como comentou a Rô (comentário anterior), ver "João Batista sentado a mesa dando gargalhadas com Herodes..." é de completa impossibilidade por todos os ângulos.

Indo nesta mesma linha, "o que precisamos nos dias atuais é de mais "Jeremias" e menos "Acabe".

Fique com Deus.

Pb. Eliel Teixeira
www.elielt.blogspot.com

João Paulo disse...

Caro pastor Geremias, a graça e a paz do Senhor!

Sem dúvida alguma, essas deprimentes reuniões têm sabor de fel. Teve gente que teve o desplante de dizer que ali foram para representar o povo evangélico no país. Quanta presunção! Quanto delírio!

No Senhor,

João Paulo

Tadeu de Araújo disse...

Pastor Geremias do Couto e demais irmãos, graça e paz!

Quanto a termos bom relacionamento com pessoas dos mais diferentes segmentos da sociedade, sem dúvida alguma, é por demais salutar.
É preciso, entretanto, vigiarmos no tocante a essas aproximações.
Assim pensamos, tendo em vista a possíveis comprometimentos que muitas vezes nos deixam em situações nada confortáveis.
Sobre pastores e cantores evangélicos terem ido visitar a distinta presidente, nada mal, principalmente, se foram anunciar o Evangelho do Reino.
Se a tônica foi o interesse das classes, também nenhuma novidade.
É claro que há no meio desse pessoal honradas exceções.
Agora, próximo ano, nobre pastor, quem estiver vivo verá: a grande maioria de nossos púlpitos irão transformar-se em palanques eleiçorais.
Aliás, o "Mercado Persa" da política partidária já entrou há muito tempo nas Assembleias de Deus.
Se bem que, ainda há "Pastores" que não concordam com essa prática comercial.

Em Cristo,
Tadeu de Araújo

Alice disse...

PASTOR, JÁ expressei minha opinião no jornal pequeno, jornal de minha cidade e gostaria que o Senhor lesse pois fiz praticamente o mesmo comentário aqui em casa a respeito e acho tudo isso vergonhoso.