sexta-feira, 24 de agosto de 2007

As promessas de Deus: tema das lições bíblicas para o quarto trimestre

O estudo das promessas de Deus, nas lições bíblicas do quarto trimestre, enseja a grande oportunidade de melhor conhecermos a forma como são apresentadas na Bíblia e de que maneira interagem conosco, na condição de crentes fiéis a Deus. A escolha do tema não decorreu simplesmente de uma decisão de currículo, mas, sobretudo, em razão de ter-se tornado, hoje, o foco principal de muitas pregações evangélicas e o profundo anelo de todos os cristãos.

O que se vê, aqui e ali, de forma bastante generalizada, são as famosas frases de efeito do tipo: “Deus tem promessas para você”, “determine e receba o que Deus prometeu para a sua vida” ou “a promessa é sua, receba em nome de Jesus!”, sem que as pessoas muitas vezes conheçam realmente, à luz da Bíblia, o que as promessas realmente representam. Na visão utilitarista das pregações motivacionais e de auto-ajuda, elas se tornaram uma espécie de “amuleto” ou de “palavra mágica” que os crentes lançam mão, à hora que bem entenderem, para transformar pedra ou qualquer outra coisa em “ouro”, como se fossem um Midas da vida!

Há até a tradicional caixa de promessas, que se tornou uma espécie de “horóscopo dos crentes”, os quais, ao invés de mergulharem nas profundezas da Palavra de Deus como um hábito salutar para o crescimento de sua fé, preferem fazer daquele objeto o seu oráculo de todos os dias. Não saem de casa sem tirar um versículo e, caso a mensagem não lhes agrade, voltam tantas vezes até que saia a promessa de sua predileção, aquela que fará bem aos seus ouvidos.

Diante dessas e de outras distorções, o nosso objetivo, com a iluminação do Espírito Santo, foi buscar nas Escrituras o que as promessas verdadeiramente significam à luz da soberania de Deus e de seus propósitos para a vida humana. Esses dois aspectos foram bastante enfatizados em todas as lições como conceitos-chaves para se entender como as promessas de Deus podem ser aplicadas na vida do cristão.

Por soberania, compreende-se que Deus não está sujeito a nenhum outro domínio, sendo este um de seus atributos exclusivos. Assim, ele age soberanamente à luz do plano que traçou para a raça humana. Quanto aos propósitos, nada do que Deus faz tem a finalidade de produzir sensacionalismo ou fazer por fazer, mas cumpre objetivos coerentes com os seus desígnios soberanos. Em outras palavras, as promessas de Deus, quando aplicadas à nossa vida, só fazem sentido se tiverem em conta a soberania de Deus e o seu propósito em cada ato.

Outro ponto que procurei estabelecer, como conceito-chave, foi para quem Deus pronunciou suas promessas na Bíblia. É importante essa definição porque nem todas se aplicam especificamente aos crentes da atualidade, embora as verdades espirituais que expressam tenham o mesmo valor para hoje. Nessa perspectiva, podemos classificar as promessas em quatro grupos distintos: 1) promessas gerais; 2) promessas individuais; 3) promessas para Israel, e 4) promessas para a Igreja.

No primeiro grupo estão, entre outras, as promessas da salvação, do batismo no Espírito Santo e da cura divina. Elas são para os que crêem. O segundo grupo compreende as promessas dadas individualmente aos vários personagens bíblicos, como Abraão, Isaque, Jacó, Noé, Ana, Raabe e muitos outros. Elas foram específicas e não podem ser tomadas como algo que deva acontecer da mesma forma hoje, ainda que o seu conteúdo espiritual permaneça válido. O terceiro grupo refere-se às promessas de Deus para Israel.. Infelizmente algumas heresias têm sido fomentadas nos arraiais evangélicos porque algumas dessas promessas são tomadas como se fossem também para a Igreja. Por último, o quarto grupo trata, aí sim, das promessas de Deus para a Igreja, como, por exemplo, a promessa da segunda vinda de Cristo.

Classificar as promessas dessa forma contribui para que o crente entenda o seu significado e não atribua para si algo que foi especificamente prometido para outra pessoa na história bíblica. O fato de Deus ter prometido a Ana um filho não significa agora que essa promessa, necessariamente, se estenda a todas as mulheres estéreis, embora Deus possa repetir o mesmo milagre segundo a sua soberania e o seu propósito, como demonstra a vida de piedosas servas de Deus ao longo do tempo. Ou seja, trata-se de uma promessa individual que Deus deu exclusivamente à Ana.

Outro conceito-chave destacado nos comentários, para o correto entendimento das promessas de Deus, é que elas sempre são condicionais. “Se” é uma partícula de extrema relevância que sempre acompanha as promessas na Bíblia. Elas representam uma espécie de pacto onde se espera que as partes cumpram as cláusulas prescritas. No que se refere a Deus, não há qualquer dúvida quanto ao seu compromisso em cumprir aquilo que promete desde que o homem aceite e se submeta, pela obediência, às condições estabelecidas.

Isso é perceptível na história do povo de Israel, que vem sofrendo ao longo dos séculos, muitas vezes de maneira violenta, os efeitos de sua rebeldia contra Deus. Fosse outra nação que experimentasse os mesmo sofrimentos, já teria sido há muito tempo extinta. No entanto, Israel aí está com sua pujança como o centro das atenções do mundo. Que explicação há para isto? A resposta está lá atrás, na história bíblica, quando Deus chamou Abraão do meio de sua parentela e lhe fez promessas que dependiam de sua obediência. A partícula “se” estava aí implícita. Como ele obedeceu, Deus sempre tratará Israel à luz do pacto feito com Abraão.

A segurança que as promessas de Deus trazem ao crente é, também, outro conceito-chave que nos ajuda a apreender todo o seu conteúdo espiritual. Assim como Deus cumpriu, no passado, as promessas feitas aos patriarcas e a outros personagens bíblicos, bem como ao povo de Israel, ele há de cumprir também as promessas feitas as salvos e à Igreja de maneira geral. Essa correlação entre as promessas de Deus cumpridas na história humana e aquelas que hoje alcançam o povo do Reino na face da terra assegura aos fiéis a segurança necessária para atravessar “montanhas e vales” até tomar posse da herança definitiva – a morada celestial.

Em outras palavras, as promessas de Deus não representam simplesmente recursos para suprir os crentes de bens materiais, como se fosse esse o maior objetivo da vida. Elas não são receitas prontas que cada um, a seu bel-prazer, tira da gaveta e aplica a cada caso conforme a sua própria disposição mental. Essa tônica predominante nas pregações atuais cria uma atmosfera de soberba e arrogância, que passa aos crentes a idéia de que são pequenos seres divinos, deuses diminutos do panteão pós-moderno, com poderes para “determinar” o que bem quiserem. É uma espécie de humanismo religioso em que Deus torna-se o “serviçal” do ser humano (meus lábios estremecem de temor ao pronunciar essa palavra!) e este o centro absoluto do Universo. Que inversão blasfema!

É verdade que esse tipo de mensagem exerce atração sobre as pessoas e, vez ou outra, nós mesmos somos tentados a encampá-la. Quem não deseja viver num “mar de rosas”? Quem não gostaria de ver-se imune às aflições e angústia tão comuns entre nós, simples mortais? Assim, qualquer coisa que ofereça solução imediata para tais situações as pessoas tratam como bem-vinda, mesmo que não tenha consistência com a verdade bíblica. Essa percepção é notável na correlação entre os chamados “cultos da vitória” e os cultos de ensino. Aqueles estão sempre cheios; estes, via de regra, vazios!

No entanto, quando estudamos as promessas de Deus percebemos que foram dadas em atos soberanos e sempre para cumprir algum propósito. Deus tirou Abraão de seu meio idólatra através de promessas que tinham por objetivo escrever a história da salvação humana. De igual modo, as promessas de Deus a Israel cumpriram o mesmo objetivo de apontar para o salvador do mundo. Mesmo naqueles casos de promessas individuais, como a que fez o Senhor a Ezequias, através do profeta, de prorrogar a sua vida por mais 15 anos, o propósito foi livrar Israel das mãos de Senaqueribe, ainda que subjacente estivesse a própria cura da enfermidade.

Assim, com os conceitos-chaves aqui apresentados, podemos olhar as promessas de Deus, hoje, sem condicioná-las simplesmente ao que queremos ou necessitamos, mas ao que Deus, em sua soberania e seu propósito, quer realizar através de nós. Muitas vezes seremos afligidos, pois assim o foram os heróis do Antigo Testamento, mas também, se tivermos a Deus como o nosso Supremo Bem, muitas vezes ele nos livrará sempre para cumprir alguma finalidade através da nossa vida, e não para atender os desejos do nosso egoísmo.

Em síntese, este é o propósito pelo qual as lições do quarto trimestre foram escritas. Serão três meses em que passearemos pela Bíblia com o objetivo de inculcar em nosso coração o verdadeiro significado das promessas de Deus para nós. Minha oração é que, no decorrer do trimestre, muitos crentes sejam batizados no Espírito Santo e outros curados, mediante a compreensão dessas promessas, e possam então tornar-se ainda mais ativos no serviço do Mestre.

Obs. Artigo oiginalmente publicado na revista "Ensinador Cristão", editada pela CPAD.

35 comentários:

Victor Leonardo Barbosa disse...

Olá pastor Geremias,
meus parabéns, creio que foi sábo a escolha do tema.
Quando observei pela prmeira vez, confesso que fique um pouco desconfiado(risos), pois hoje em dia vemos tantas heresias por aí com relação a esse assunto que deveoms ter cuidado em não ficarmos traumatizados.
Porém, depoois que passei no ste da CPAD para conferir e ver este artigo, vi que o senhor discursa a Luz da Bíblia e de forma bem sensata.
Parabéns, que Deus lhe abençoe e que o Seu Nome seja glorificado através desta revista.
Abraços.
Soli Deo gloria

Carlos Roberto Silva, Pr. disse...

Olá Pastor Geremias!
A Paz do Senhor.
Importantíssimo o artigo acerca deste assunto tão debatido hoje, porém ,na maioria das vezes de maneira distorcida.
Fico feliz, pois não podemos fugir da discussão, mas clarea-la à Luz das Sagradas Escrituras.
Tenho certeza de que a Igreja será em muito edificada.
A desconfiança inicial do amigo Vítor Leonardo, é normal, já estamos ficando traumatizados com o triunfalismo gospel da presente era.
Parabéns e um grande abraço!

nei-cub disse...

Olá Pr. Geremias

Sou Pb. Aneildo congrego em Cubatão com o Pr. Josias e Pr. Carlos obtive o seu e-mail
Com o Pr. Carlos

Tomei a liberdade de conversar com o sr. pois estou com uma duvida muito grande com relação a um versiculo da Bíblia.

Se encontra em "I CR - 4.9,10"

Na primeira parte do ver-9, encontramos no nome "Jabes" e no final do mesmo "Jabez".
No ver-10 Vemos "Jabez" Invocar o nome do Senhor, através de sua oração, e vemos a oração terminar com ... , indicando óbviamente que a mesma continuou, e que a resposta de Deus também veio na mesma hora, mas também só temos o final da resposta de Deus, não sabendo tudo o que Deus o respondeu, por isso não consegui enteder muito bem o texto

E esta tradução com duas letras "s" e "z" para o mesmo nome, só encontrei na Bíblia de Estudo Pentecostal.
Se possível gostaria que o amado irmão, me esclarece se foi algum equívoco de grafia, ou se Deus mudou o nome de Jabes .

A Paz do Senhor.

Silas Daniel disse...

Pastor Geremias,

Antes de tudo, parabéns pelo excelente artigo e pelo comentário para as Lições Bíblicas do novo trimestre! Ambos são enriquecedores.

Agora, se me permite, gostaria de tirar a dúvida do irmão Aneildo.

Primeiro, a grafia mais correta em 1Crônicas 4.9,10 é Jabez, e não Jabes. A expressão traduzida como "Jabes" em português tem um sentido positivo e não negativo. Ela aparece em nomes como "Jabes-Gileade". Já o vocábulo traduzido em 1Crônicas 4.9,10 como "Jabez" tem um significado negativo. Significa "Dor", "Tribulação" ou "Aquele que causou ou causa dor".

Para que fique mais claro ainda:
A grosso modo, a pronúncia correta da forma aportuguesada do vocábulo traduzido como Jabes na Bíblia (como em Jabes-Gileade) seria algo como "Jabis"; e a pronúncia correta da forma aportuguesada do vocábulo traduzido como Jabez na Bíblia (em 1Crônicas 4) seria algo como "Jabês" (por isso a grafia com um "z" no final).

O que acontece na Bíblia de Estudo Pentecostal é que ela usa uma versão Almeida Revista e Corrigida (ARC) onde ocorre um equívoco de digitação em 1 Crônicas 4, fazendo com que o personagem bíblico seja chamado de Jabes em um momento e de Jabez em outro, mas a forma certa é Jabez, como aparece nas demais versões, onde não ocorre o erro de digitação (como na Almeida Edição Revista e Corrigida de Grafia Simplificada, na Almeida Revista e Atualizada, e outras).

Sobre a oração de Jabez, ela aparece com reticências ("...") em seu final porque essa oração é o que chamamos tecnicamente de um suspiro. Em outras palavras, Jabez ora dizendo: "Ah, se o Senhor fizer isso! Ah, se o Senhor fizer aquilo por mim!" Ele suspira pela bênção de Deus. A Almeida Revista e Atualizada, para deixar ainda mais claro aos leitores que aqui trata-se de uma oração em forma de suspiro, preferiu tirar as reticências e colocar a oração da seguinte forma: "Oxalá me abençoes e me alargues as fronteiras, que seja comigo a Tua mão e me preserves do mal, de modo que não me sobrevenha aflição!"

As reticências, portanto, que aparecem na versão ARC, não indicam que o autor bíblico não registrou tudo o que Jabez pediu, mas são uma forma de o tradutor dizer que estamos diante de uma oração em forma de suspiro. Tudo que Jabez pediu a Deus em sua oração aparece no versículo 10. E diz o texto que Deus lhe concedeu tudo que havia pedido. Tudo o que ele pediu na oração que aparece no versículo 10.

Agora, por que Deus concedeu a Jabez tudo que ele lhe havia pedido (inclusive que nunca mais ele sofresse alguma aflição)? Porque estava dentro de Sua vontade (1Jo 5.14). Soberanamente, Deus quis atender plenamente todos os pedidos de Jabez, até para que sua vida fosse uma ironia ambulante. O homem que tinha um nome que significava "dor" foi livre de toda dor, porque "invocou o Deus de Israel!

Na época de Jabez, as pessoas eram tendentes a crer que os nomes que elas recebiam necessariamente tinham um caráter profético. Assim, se o nome significasse bênção, a pessoa teria um destino abençoado. E se o nome fosse negativo, o destino seria terrível. Porém, Jabez é uma das provas de que não é o nome que dá significado à vida, mas é a vida que dá significado ao nome. E se Deus está em nossa vida, que "nome" abençoado teremos, mesmo que a nossa vida seja marcada por aflições!

Enfim, a resta de Deus à oração de Jabez não é uma prova de que se formos fiéis nunca sofreremos. Ela é uma prova de que Deus é quem determina qual será o nosso futuro, e não o que os outros dizem sobre nós.

Pastor Geremias do Couto disse...

Caro Silas;

Sua colaboração é sempre bem-vinda neste blog! Com certeza, o irmão Aneíldo ficará agradecido por sua colaboração e eu fico muito mais ainda, pois é dessa forma que vejo os nossos blogs: ferramentas de ajuda mútua sempre em busca da verdade.

Assim, sempre que quiser, sinta-se à vontade para colaborar e enriquecer este espaço. Saiba que você faz parte de um grupo de amigos bastante próximos pelos quais nutro bastante respeito!

Um abraço.

André Silva disse...

A paz do Senhor, pastor Geremias

Enquanto professor e crente em Jesus, posso dizer que o tema veio na hora certa, embora falar de promessas tem sido o filão da vez para os egos envaidecidos de alguns pregadores e compositores os quais viram no povo de Deus e principalmente na massa não leitora, um público - alvo a explorar.
Penso que estamos deixando subir ao púlpito mensagens meramente fabricadas pela técnica e não vindas do Espírito Santo, por isso acabamos fabrincando uma geração de animadores de palco e não pregadores cheios do poder de Deus, que implicitamente comovem pessoas e, inocentemente, persoadem-nas a barganhar com Deus por buscar a benção e não o abençoador.
Que as promessas de Deus em nossas vidas nos façam ardentemente sermos mais luz nessa terra, nos façam salgar a sociedade sem sal e nos embriagar do amor de Deus para desaguar no outro.
Assim, poderemos, na contínua batalha da vida, aguardar convictos em Cristo de que a maior promessa, Ele cumprirá: Nos levar para a glória!

Parabéns, pastor Geremias!

Irmão André Silva. Carpina -PE.

Silas Daniel disse...

Em tempo: no último parágrafo da explicação que dei ao irmão Aneildo, onde encontra-se "Enfim, a resta de Deus...", leia-se "Enfim, a resposta de Deus..."

[Como Viveremos] disse...

Pr. Geremias,

Tenho certeza de que esta lição da EBD será uma verdadeira benção para todos os cristãos que a frequentam.

Será possível, neste trimestre, desfazer muitos ensinos equivocados que estão sendo ministrados em nosso púlpitos acerca das promessas de Deus para o homem, especialmente no que diz respeito às condições impostas por Deus ao homem para que elas se implementem. Ou seja, geralmente as promessas dadas por Deus possui um [SE], que é a aÇào de Deus em relação à vontade de Deus.

Ocorre que muitas vezes é dito que o que Deus prometeu Ele cumpre. De fato, Ele é fiél à sua Palavra, porém, deve-se se enfatizar que Ele as cumpre dentro do pacto que Ele para com o homem. Assim sendo, Ele somente cumpre quando o homem também faz a sua parte.

Valmir Milomem

Esdras Costa Bentho disse...

kharis kai eirene.
As Lições Bíblicas do 4º trimestre de 2007 atenderá uma necessidade e preencherá uma lacuna em nossas igrejas pentencostais. Esperamos que os milhares de alunos de todo o Brasil e exterior sejam abençoados com cada uma das lições.
O trabalho ficou primoroso e digno de sua reputação.
O DVD foi um outro excelente trabalho. Os blogueiros que desejarem ouvir diretamente o Pr. Geremias comentando cada uma das lições poderão adquirir por meio de uma das livrarias da CPAD. Não esqueçamos também o CD-ROM que traz oportunas contribuições ao trabalho docente.
Um abraço a todos.
Esdras Bentho

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Pr. Geremias do Couto,

lhe parabenizo pela maravilhosa lição bíblica e belíssimo comentário, que será estudada no 4º trimestre de 2007.

O tema "As promessas de Deus para a sua vida", certamente reacenderá na vida de muitos as chamas da esperança e da confiança em Deus.

יא כן יהיה דברי אשר יצא מפי לא ישוב אלי ריקם כי אם עשה את אשר חפצתי והצליח אשר שלחתיו

"assim será a palavra que sair da minha boca: ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei."
(Is 55.11)

Um abraço!

Gutierres Siqueira, 18 anos disse...

Esse tema vai atrair a atenção de muitos que vão aos cultos para receber uma palavra de auto-ajuda, mas quando lerem esse escrito, vão deparar com um estudo equilibrado sobre as promessa de Deus. Parabéns pastor Geremias, por essa revista. O seu enfoque na soberania divina, é essencial para assuntos como esse.
Qual livro que o amado pastor recomenda que, nós professores, possamos ler nesse trimestre?

Gutierres Siqueira
www.teologiapentecostal.blogspot.com

ALTAIR GERMANO, disse...

A paz do Senhor!

Convidamos o amado irmão para fazer parte da “União de Blogueiros Evangélicos”.

Trata-se de um espaço virtual e democrático onde seja possível unir blogueiros cujos blogs falam eminentemente sobre o Cristianismo e sobre a Palavra de Deus.

Diálogo, trocar idéias, debates e, sobretudo, divulgação de seus trabalhos e blogs são alguns dos objetivos da UBE.

A idéia surgiu de conversas on line entre o Pr. Altair Germano (BLOG DO PR. ALTAIR GERMANO), Pr. Esdras Bentho (TEOLOGIA COM GRAÇA) e o Irmão Valmir Milomem (E AGORA, COMO VIVEREMOS?).

Acesse o blogueirosevangelicos.blogspot.com e saiba mais.

Ore, divulgue e participe!

No amor de Cristo,

Pr. Altair Germano

Pastor Geremias do Couto disse...

Caros André, Valmir, Esdras, Gutierres e Altair:

Obrigado pelas considerações a respeito das lições bíblicas do próximo trimestre.

Este e um assunto do momento até pela forma como tem sido apresentado nos ambientes pentecostais e neopentecostais.

Como disse em meu comentário, muitos olham as promessas de Deus como algo que independe de sua soberania e seu propósito, à mão de cada crente para "determinar" o que bem entender.

Esse conceito está tão disseminado que até a enquete lançada neste blog sobre as promessas de Deus parece caminhar nesta direção.

Vou esperar que o prazo de encerramento da pesquisa termine paa então publicar outro texto sobre como as promessas interagem com a soberania de Deus e seu propósito.

No entanto, acredito que as lições trarão bastante luz sobre o assunto, com a indispensável ajuda do Espírito Santo.

Um abraço.

m-cpvr disse...

PASTOR GEREMIAS, A PAZ DO SENHOR,muito importante o estudo que o irmão introduzira na ebd,creio que, as unicas promessas incondicionais de DEUS para com os homens é ,o seu amor JO 3.16 e as manifestações da natureza ,chuva ,sol etc.

Isael de Araujo disse...

Olá, amigo pastor Geremias,
Desde já estou orando para que o estudo das promessas no 4o trimestre de 2007 seja grandemente abençoado.
Tenho a honra de ter o DICIONÁRIO DO MOVIMENTO PENTECOSTAL anunciado na quarta capa da revista com o seu comentário.
Um abraço,
Pastor Isael de Araujo
Visite o blog http://dicionariomovimentopentecostal.blogspot.com/

Pastor Geremias do Couto disse...

Caro amigo, pastor Isael:

Muito me alegra ter o anúncio do seu excelente Dicionário publicado na contra-capa da próxima revista da Escola Dominical, de minha autoria. Não há, em Português, uma obra desse gênero com essa densidade que você buscou aprimorar em longos anos de pesquisas.

Tenho por certo que a obra será um best-seller não só entre os pentecostais, mas entre todos os que querem ocnhecer a história do movimento pentecostal. Ela será ferramenta útil aos pesquisdores, inclusive do meio acadêmico secular.

Abraços e parabéns!

João Batista - Tocantins disse...

Louvo a Deus pela Casa Publicadora e pelos homens que Deus tem erguido para primar pelo ensino genuino em nossos dias. As lições Biblicas do 4º tri de 2007 será simplismente uma vitoria para a igreja de "Filadelfia" que busca o refugio e norte nas Sagradas Escituras. Oportunamente para aqueles que amam a ortodoxia biblica será o momento de apologicamente frear o apogeu do "evangelho da determinação" que de forma sorrateira e sagaz surgiu e se propagou como "cancer" no pentecostalismo brasileiro. Então demos um brado de Graças a Deus por termos pão tostado para nos alimentarmos. parabens pastor Geremias.

Anônimo disse...

A Paz do Senhor pastor Geremias!

Subentende-se de que todas as promessas de Deus são reais verdadeiras e incondicionais, da parte Dele. Exemplo: independente a quem se dirija (as promessas), e quem será ou não participante dessas benesses, a realidade destas promessas não depende da iniciativa ou resposta humana. Por exemplo, dizer que a salvação é condicional apenas retrata o ponto de vista humano (sobretudo arminiano),mas, a promessa da salvação é incondicional (da parte de Deus) pois ela é fato. Estou errado?

Outro exemplo, a promessa do batismo com o Espírito Santo (evidências em falar em línguas) é é dada por alguns como condicional. Mas, por que? Será que é porque nem todos os pentecostais são batizados com o Espírito Santo, ou, Deus não batizará a TODOS os crentes com o Espírito Santo. Se é condicional, por que o crente é que deve buscar e está nele o receber o batismo, não faria dele o culpado em não falar em línguas?

Poderias informar quais as promessas são incondicionais e quais são condicionais? Eu sei que a vinda do Messias é incondicional. Não depende do ser humano para sua ocorrência. Mas, as promessas de cura, paz, bem estar familiar, etc, também não são incondicionais, da parte de Deus, pelo fato de serem realidades? Não está faltando uma distinção melhor? É condicional ao homem e incondional a Deus? Pode uma promessa ser incondicional e condicional simultaneamente?


Outro ponto: Parece que as promessas gerais são aplicados também a Igreja. Ou seja, o trimestre aborda o foco da igreja, não é isso? Então não seria correto apenas três classificações: Gerais ou igreja, individual e Israel? Os Gerais são para os não salvos?

São apenas pontos que considerei relevantes para a troca de idéias.

Sou assembleiano e por legado arminiano, mas, o senhor não acha que a corrente arminiana fica correndo em círculos? O senhor não pensa que o homem não coopera com Deus no plano da salvação? Ele - o homem - é livre em que sentido?

No amor do nosso Mestre,

Pb Gilson Barbosa

Anônimo disse...

A paz do Senhor!
Sou diácono e superintendente-geral da EBD do campo de Guanabara em Ananindeua-PA e quando estava comprando as revistas na loja da CPAD fui surpreendido, por alguns irmãos e amigos, com a notícia de que os campos de Belém, de Ananindeua e de Marituba,no Pará, bem como as AD's de alguns estados, perderão o privilégio de aprender sobre tão relevante temática("As prmessas de Deus")por conta de um comentário feito pelo amado pastor e que "prejudicou" o presidente da igreja-mãe. Gostaria de ler o conteúdo de tal comentário e, antes de mais nada, dizer que é uma arbitrariedade das mais absurdas o que está sendo feito com os irmãos de Belém que, na esmagadora maioria, não concordam com a proibição do uso das "Lições Bíblicas" neste trimestre.
sds,
Antonio Junior
e-mail: aj_medeiros@terra.com.br

Pastor Geremias do Couto disse...

Caro irmão Antonio:

Sem alongar o assunto, acredito que o motivo apresentado pela liderança da igreja-mãe para tomar essa decisão tenha sido o artigo: "Pareceu bem ao Espírito Santo e a nós...", de minha autoria, publicado no Mensageido da Paz do mês de maio deste ano.

Anônimo disse...

A Paz do Senhor, pastor Geremias!

Nobre pastor, o senhor, por gentileza, podes responder minhas dúvidas?

Em Cristo Jesus,

Pb Gilson Barbosa.

Pastor Geremias do Couto disse...

Caro pb. Gilson Barbosa:

Estou preparando novo comentário para o blog, onde, na medida do possível, tratarei dos pontos levantados pelo irmão em seu post.

Abraços.

Anônimo disse...

Ok querido, obrigado.

Pb Gilson Barbosa

wendelberg disse...

A paz do Senhor. Parabéns pelo tema sutil e esclarecedor. vai ajudar muita gente a perceber que quem tem promessa... também morre.
Deus o abençoe grandemente.

somon disse...

A Paz do Senhor, pastor Geremias!
Causou-me preocupação a falta de informação sobre o termo:Promessa.
Teria sido de bom alvitre, inserir na primeira lição o sentido da palavra.
Senti na EBD que frequento, que alguns alunos estão interpretando vários textos bíblicos, declaratórios, afirmativos ou outras expressões de Deus e de Jesus Cristo ou até mesmo de escritores da Bíblia, como se fossem Promessas.
Preparei material sobre o termo - Promessa - para repassar aos professores de nossa EBD local.
Espero que o querido pastor publiquecom urgência, post com material pertinente, no Blog.

Pastor Geremias do Couto disse...

Wendelberg;

Obrigado por suas palavras encorajadoras. Espero que o tema ajude a todos nós compreendermos a importância das promessas de Deus para a nossa vida.

Somon:

Você está correto em sua preocupação. É que nós, comentariatas, dispomos de um espaço pequeno para tão vasto assunto. Daí ser preciso estabelecer uma ordem de prioridades na abordadem de cada tema.

Na hora de escrever as lições, presumi que a definição do que são promessas seria algo já bastante claro para os professores e alunos. Ao mesmo tempo, isso enseja a oportunidade de pessoas como você pesquisarem o tema e adicionarem aquilo que é mais importante de acordo com a realidade de cada lugar.

De qualquer modo, agradeço a sua sugestão e a levarei sempre em conta nos próximos comentários.

Abraços.

somon disse...

A Paz do senhor
Pastor Geremias do Couto.
Fiquei feliz por sua resposta ao meu pequeno comentário sobre o termo : Promessa.
Isto muito me acrescentou, mostra que há ainda humildade na Igreja e no Ministério através de homens como o querido Pastor.
Pois um homem de Deus com tantos afazeres e importante ensinador da Palavra de Deus, importou-se com este seu servidor.
Que Deus o abençoe mais e mais, à tempo: a Lição é de excelente nível, e vem em boa hora alertar o arraial assembleiano, quanto as poderosas e verdadeiras promessas de Deus.
grato e ao seu dispor.
Inseri o seu blog,no meu blog, em meus favoritos :
http://www.nucleosetadvilacurucasandresp.globolog.com.br/
o nome é grande pois quando o criei era um blogueiro neófito.

Anônimo disse...

Obrigado pela resposta Pastor geremias.
E que o "espírto de coragem"(2 Tm. 1:7)que Deus tem concedido aos seus servos possa continuar agindo sobre os autênticos apologistas cristãos dos quais há uma urgente necessidade nas igrejas locais de todo o Brasil!
sds,
Antonio Junior.

flavia disse...

A Paz do Senhor Pastor Geremias.

Meu nome é Flavia e sou professora na Escola Dominical da Igreja Ass. de Deus - Min. Belem em Guaianases - SP.

Na igreja onde congrego, temos uma escola dominical para Professores da EBD (7:30 hs), onde nos preparamos para dar aula aos alunos logo após (9:00 hs).

Para a lição 10 (A Promessa de Segurança num mundo inseguro), eu fui convocada a dar esta aula aos professores.

Estou pesquisando e preciso de subsídios / materiais sobre a lição 10, para enriquecer minha pesquisa. Considero este site maravilhoso, assim como seus estudos e tenho certeza de que meu material para a aula ficará completo com suas orientações e discursos baseados na palavra de Deus.

Preciso concluir meus estudos urgente e gostaria de contar com o amado irmão, pedindo que envie para meu e-mail o subsídio da lição 10.

Ficarei muito grata.

Parabéns pelo maravilhoso trabalho que o irmão faz em prol da obra de Deus!


Fique com Deus.

Flávia Sodré
flaviasodre1@yahoo.com.br

Ensinando e Aprendendo com a Tia Rose® disse...

Olá pastor, passeando pela nete encontrei seu blog. Obrigado por suas palavras encorajadoras. Espero que o tema ajude a todos nós compreendermos a importância das promessas de Deus para as nossas vidas. Deus continue abençoando seu trabalho.

rosemerlim07@yahoo.com.br

http://eternoeperfeitoamor.blogspot.com/

Milton Adones Vieira disse...

Pr Geremias do Couto, a Paz do Senhor. É um privilégio poder postar um pequeno comentário aqui no seu blog. Não nos conhecemos pessoalmente, mas eu já conheço seus trabalhos literários há muito tempo. "As promessas de Deus para a sua vida" (4º trimestre 2007), é mais uma prova de sua capacidade e zelo pelas verdades bíblicas. Sou um cooperador na obra de Deus aqui em Santa Maria, RS, cujo pastor presidente é o Pr João Oliveira de Souza. Além da música, de compor hinos e cantar ao Senhor, gosto de escrever. "A Glória do Tabernáculo, O pecado da omissão e Maranata - o que todos deveríam pregar e dizer" são uns dos meus trabalhos escritos, os quais estou para entregá-los ao pastor João Oliveira para analizar o conteúdo dos mesmos e, posteriormente me autorizar a publicá-los. Amado pastor estou orando pelo senhor e o projeto "Minha esperança Brasil". Deus vos abençoe sempre. Me honre com uma rápida olhadinha no meu humilde blog. A Paz.

adones@comentários-escriturísticos disse...

Caro pastor Geremias do Couto, a paz do Senhor.
Venho novamente postar um pequeno comentário em seu blog apenas para agradecer-lhe por ter aceito e publicado, o qual li e fiquei muito feliz. Quero também saber, se podes me dizer, se aceitou o segundo comentário que postei sobre o assunto do "Grande ensinador acusado de heresia", não consegui encontrá-lo. Talvez não foi aprovado, se não foi, peço perdão pela ousadia. De qualquer forma, estou feliz assim mesmo; pois já me honraste no outro que aprovaste. Fique na paz, amado.

Mariana Teixeira disse...

A Paz do Senhor Pastor, achei este blog, fazendo um pesquisa, e gostei muito quero poder fazer parte desse blog abençoado onde posso aprender também.

Fique na paz.

egnaldoss disse...

Querido pastor Geremias, fico feliz em saber que Deus tem usado o amado irmão para escrever está revista que uma ferramenta para nós crentes em Cristo.. Também sou pastor (Pastor Batista em Rondônia, digo ao irmão tenho usado essa revista em alguns estudos, muito bom. Isso mostra que realmente o irmão é usado por Deus.. Querido que Deus te abênçoe e te guarde e te use para sempre. Continue sendo luz de Cristo neste mundo cheio de trevas. Abraço querido.. Fica com Deus..

Sanlopes disse...

Ola pastor Geremias, gostaria de saber se o senhor conseguiria posta revistas da escola dominical mais antigas. de 80 para baixo em formato pdf, pois ja encontrei no blog gospel book de 1980 para cima.pergunto por que imagino que o senhor conhece irmaos mas antigos da Assembleia de Deus.OBRIGADO E PAZ DO SENHOR JESUS