sexta-feira, 17 de maio de 2013

Mesa Diretora quer julgar pastores da CGADB



A nova Mesa Diretora da CGADB eleita em Brasília reunir-se-á, formalmente, pela primeira vez, no próximo dia 22 de maio. Na pauta a apreciação do parecer do Conselho de Ética e Disciplina em processo contra os pastores Samuel Câmara, Jônatas Câmara, Sóstenes Apólos e Ivan Bastos por suposta quebra de decoro na AGE de Maceió. Essa é aquela Assembleia, cujos efeitos acabaram suspensos por decisão judicial sem que tenha havido, ainda, o trânsito em julgado.

Só para recapitular, essa reunião estava prevista para o dia 4 de fevereiro, mas foi também postergada para depois da AGO em Brasília, também por decisão judicial, pois a depender da decisão que fosse tomada, poderia causar sérios danos às partes em julgamento, já que todos os pastores citados no processo faziam parte da chapa "CGADB Para Todos" e corriam o risco de não estarem aptos a concorrer no pleito de abril. Se isto ocorresse, o pastor Ivan Bastos, por exemplo, não teria sido eleito como 1° Tesoureiro.

Cabe, todavia, algumas observações. A primeira é o amplo direito de defesa que precisa ser concedido aos supostos acusados. Não só a legislação do país garante, mas o próprio Estatuto da CGADB, assim como o seu Regimento Interno, preveem esse procedimento legal. Aparentemente esse direito teria sido garantido na Notificação Extrajudicial recebida pelos pastores citados, que disporiam de 30 minutos para fazer a sua defesa diante da Mesa Diretora. É aqui que mora a parte intrigante. Como se defenderem, se as partes em julgamento não tiveram acesso ao inteiro teor do processo, incluindo-se aí o próprio parecer encaminhado pelo Conselho de Ética e Disciplina à Mesa Diretora? Onde está o amplo direito de defesa?

Outra questão a ser analisada é se a Mesa Diretora vai reunir-se no dia 22 sem que a ata de posse esteja registrada, como até hoje, segundo consta, não ocorreu por razões que ninguém sabe. Não duvido da possibilidade, pois, ao atropelo do que determina o arcabouço legal da instituição, o presidente da CGADB nomeou os membros dos Conselhos e Comissões sem referendá-los em Assembleia Geral, ato este nulo de pleno direito. Mas pelo andar da carruagem ninguém se surpreenda se a reunião for realizada sem o registro da ata de posse. Se isto acontecer, será mais um ato arbitrário, como, por exemplo, o de continuar a desrespeitar a decisão judicial que determinou a apresentação da conciliação bancária à luz das diferentes listas de inscritos à AGO de Brasília.


Creio que a Mesa Diretora faria muito melhor se a partir da eleição em abril mudasse o viés de sua administração para estreitar os laços fraternos entre a nação assembleiana, cumprindo, por dever de justiça, as decisões que faltam cumprir e não trabalhar para punir aqueles que, baseados em números que dispunham, não concordaram com a aprovação de alterações estatutárias impostas na AGE de Maceió em votações confusas e imprecisas. Vale lembrar a mensagem enviada pelos inscritos que participaram da AGO de Brasília, com a eleição do 5° Secretário, dos dois tesoureiros e de todos os membros do Conselho Fiscal ligados à chapa "CGADB Para Todos". Ela é bastante clara. Só não compreende quem não quer. Gostaria de crer que essa mensagem será levada em consideração.

9 comentários:

Gesiel Oliveira disse...

Não basta somente garantir a defesa, a lei assegura que se deve garantir todos os meios à ampla defesa e contraditório, ou seja, de nada vale assegurar 30 minutos de defesa oral, sem acesso irrestrito aos autos e à peça acusatória. Isso é regra natimorta, exarada no estatuto, só para dar uma aparência de "legalidade". Caso isso não seja garantido, é ferir de morte todo o procedimento administrativo e constitucional e firmar as bases de um tribunal de exceção, ou seja, aquele que foi criado desprovido de imparcialidade, concentrando poderes de acusar, julgar, condenar e executar. Isso tá com cheio de retaliação segregacionista para desobstaculizar a vereda para 2017.

Joabe disse...

Essas brechas deixadas servirá de base para uma possível condenação.

Porém eu acho que deveria haver uma forma de que algumas comissões e conselhos tivessem mais autonomia.De repente se os mandatos não coincidisse com os da Mesa Diretora haveria mais autonomia.

Pr. Walker Carvalho de Oliveira disse...

É preciso também avaliarmos os atos escusos ou sem explicação e total falta de transparência cometidos pela mesa diretora, quem irá julgá-los?

Elias R Silva disse...

Boa pergunta, pr. Walker: "Quem irá julgá-los?"
Eu respondo: Se ninguém aqui na terra o fizer, certamente Deus o fará e o fará como ninguém!

Anônimo disse...

PAZ AMADO PASTOR GEREMIAS INFELIZMENTE VIVEREMOS EM BREVE MAIS UM CAPITULO DA TRISTE HISTORIA DA CGADB E A PROVA DISSO SAO SEUS COMENTARIOS E O OCORRIDO AQUI EM NOSSA REGIAO FOZ DO IGUAÇU DURANTE O 17º Encontro dos Lideres das Assembleias de Deus dos Estados do Sul DA União dos Ministros das Assembleias de Deus da Região Sul (UMADERSUL) PRESIDITA PELO PR IVAL TEODORO - PARANA
VICE. PR JOAO CENO - STA CATARINA
2 VICE. PR UBIRATAN JOB - R G DO SUL

DURANTE O EVENTO O PRESIDENTE PR IVAL PROPOS UM MANIFESTO PELA UNIDADE ENTRE A MESA DIRETORA DA CGADB

A PROPOSTO FOI ACEITA POR TODOS PRESENTES E ASSINADA PELO PRESIDENTE E O 1 VICE
JA O SEGUNDO VICE QUE TAMBEM E VICE DA CGADAB PR UBIRATAN ( Absteve-se de assinar) E AI FICA CLATO O PANORANA MAIS NOTICIAS VEJA NO LINK

http://pastorivalteodoro.blogspot.com.br/2013/05/manifesto-da-umadersul-pela-unidade-da.html

ATT: MISS. SILVANO AMORIM
SILVANOAMORIN@HOTMAIL.COM

Tadeu de Araújo disse...

Pastor Geremias do Couto e demais irmãos, graça e paz!

Do nosso ponto de vista, de tantos absurdos atribuídos ao presidente da CGADB, durante sua permanência que dura mais de duas décadas à frente da mencionada entidade, ainda que não se possa provar nada contra o mesmo, infelizmente, sua credibilidade é por demais contestada.
E o pior é que, não somente o nobre presidente, bem como seus aliados, com todo o respeito aos convencionais sérios que o tem reconduzido para nova gestão, não acordaram para essa realidade incontestável.
Se não estamos sendo injustos, em nossa visão, a "Briga de Foices" pela presidência da CGADB, há muito tempo, cegou às vistas de muitos líderes que se viam "homens de Deus".
Que pena, a glória desse mundo pecaminoso já contaminou e muito, fazendo pastores brigarem pelo paraíso terreno.
Distintos líderes, que ainda não se contaminaram com essa luta inglória, não brinquem de pastorear, pois os senhores terão de prestar contas ao Grande General, que cobrará de cada um, naquele "Dia"( Lucas 12.48).
Em Cristo,
Tadeu de Araújo

Mark Lemos disse...

Manifesto de Apoio

Ao: Rev. Samuel Câmara

Da: Assembleia de Deus Ministério IBAD/COMADESPE

Rev. Samuel Câmara, saudações na Paz do Senhor Jesus.

Nos que compomos a Assembleia de Deus Ministério IBAD/COMADESPE recebemos com estranheza e perplexidade a noticia do seu desligamento pela Mesa Diretora da CGADB.

Lamentamos profundamente essa decisão injusta e arbitraria, principalmente em um momento oportuno de esforços pela unidade e fortalecimento da Igreja.

Nós reconhecemos sua trajetória e a conduta ilibada com que tem desempenhado seu profícuo ministério.
Declaramos por meio deste nosso apoio e solidariedade.

No Amor de Cristo,

Mark Jonathan Lemos
Pastor Presidente
COMADESPE/CGADB 9069

Otniel Monteiro disse...

É lamentável o posicionamento da nova mesa Diretora da CGADB eleita em Brasília. Em uma análise preliminar, são revestidos de pouca ou nenhuma legalizada, sem falar mágoas. Onde estão os homens piedosos, cheios de fé e do Espirito Santo? Sinais mínimos para os servos de Deus!!

"Gunnar Vingren e Daniel Berg devem estarem ser retorcendo em seus túmulos, envergonhados!!"

E que diria Martinho Lutero, dessas decisões??

Anônimo disse...

Prezado Pr. Geremias do Couto.
A Paz do Senhor.

Até certo ponto posso concordar com seus comentários e, pela admiração que tenho pelo seu trabalho tomo a liberdade de discordar em outros pontos.
Seus comentários deixam claro o "seu lado", sua parcialidade. Poderia sim ser evitada essa severa punição, mas falar da mesma, colocando a mesa diretora da CGADB e, em especial seu presidente, como vilões, ignorando as atitudes maléficas do grupo do Pr. Samuel Câmara, é, no mínimo, desprezar a inteligência das pessoas que o admiram. Esse pastor não tem poupado a CGADB em nada, e não estou dizendo da diretoria, estou falando de todos os seus membros, tem atacado e provocado confusões em cada assembleia, organizando-se como uma "milícia".
Peço a Deus que tudo termine bem, mas colocar o Presidente como único e exclusivo culpado, manchando sua história chega a ser covardia daqueles que não sabem que eleição se ganha apenas com votos.
Que Deus tenha misericórdia de nós.

Julio Cesar Portela
Itapevi (SP)
julioportela@uol.com.br