sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Último dia para fechar a lista de inscritos da CGADB


Hoje, ao final do dia, termina o prazo para que a Comissão Eleitoral julgue todos os recursos dos ministros que, embora legalmente inscritos para participar da 41ª AGO da CGADB em Brasília, não tiveram os seus nomes incluídos na listagem oficial da CGADB. Tenho informações que os seus membros estão reunidos desde o dia 29 e acredito que eles estejam julgando com lisura todo esse imbróglio causado pela não inclusão dos mais de três mil nomes, como noticiado por este blog. Espero, inclusive, que estejam checando os extratos bancários para que não paire qualquer dúvida quanto à transparência dos ritos eleitorais, cujo prazo de pagamento para a inscrição se encerrou no dia 28 de dezembro de 2012.

Como pressupõe a antiga frase atribuída a Júlio César: "À mulher de César não basta ser honesta, tem de parecer honesta", lisura não é algo para ser guardado num cofre ou tratado com qualquer tipo de restrição, principalmente nas circunstâncias que estamos experimentando, às quais envolvem a vontade de mais de 20 mil pastores que comporão o colégio eleitoral em Brasília. Se houver irregularidades, precisam ser sanadas e trazidas a público, não importa se atinjam a candidatura de A, B, ou C. Repito pela terceira vez o que já escrevi aqui: "Transparência não é opção. Ela é a garantia da lisura de qualquer processo".

Tão logo a Comissão Eleitoral divulgue a listagem definitiva, informarei o link de acesso, acompanhado de outras informações de bastidores às quais estão em fase de apuração. Faço isso, como já deixei claro, com a intenção de informar e ser uma espécie de "porta-voz oficioso" das coisas que estão acontecendo no âmbito da CGADB. A maior prova dessa necessidade está na enquete que se encerrou hoje e foi substituída por outra. A dubiedade na forma como as coisas chegam ao público e a falta de clareza nas informações repassadas pela própria instituição diante de um imbróglio de tal magnitude permitem conclusões que põem em dúvida a isenção dos responsáveis pela condução do processo. À pergunta: "O que motivou os recursos à CGADB" houve 205 votos, com os seguintes resultados:

1. O sistema bancário não é confiável - dois votos (0%).

2. Os pagamentos não foram informados pelo banco - oito votos (3%).

3. A empresa contratada para fazer a conciliação bancária é incompetente - 16 votos (7%).

4. A falha foi da Comissão Eleitoral e da Secretaria-Geral - 28 votos (13%).

5. Teria havido intencionalidade para alterar a tendência dos votos - 151 votos (73%).

Creio que as respostas da enquete se bastam por si mesmas. Como informei acima, já está no ar outra enquete. Todos sabemos das dificuldades que os pastores assembleianos têm de preparar e fazer os seus sucessores. A grande maioria morre na titularidade da função, já idosos e cansados, sem condições de exercer de forma plena o pastorado. Podemos quase que contar nos dedos os que transferiram o cajado antes de morrer, como por exemplo, Marcelino Margarida da Silva (Cordovil, RJ), Firmino Gouveia (Belém, PA), Anselmo Silvestre (Belo Horizonte, MG) e José Leôncio da Silva (Recife, PE), entre poucos outros. Quais seriam as razões para isso? Vote numa das opções ao lado.

13 comentários:

Newton Carpintero, pr. e servo. disse...

Caro pr. Geremias do Couto,

A paz amado!

A sua matéria com o título de "ÚLTIMO DIA", me faz acreditar que neste momento, próximo às eleições a CGADB estará iniciando o seu "PRIMEIRO DIA", da divisão que se aproxima.

Creio que esta divisão, será um grande expediente, a solucionar grandes impasses com a correta e necessária participação de mais lideranças que, por falta de coragem, fazem parte dos milhares de pastores que não se dedicam ao cargo, tão disputados e sempre, por, somente dois, que se degladiam de forma inconvicente ao cargo que se TRONOU, como o cargo de um REI.

Que pelo menos se produza mais
"reizinhos" por todo o Brasil.

O Brasil é imenso em extensão e em diversidade cultural, e muito maior em sua sistemática organizacional, onde exige muito mais do que se pensa, e se produz uito pouco para a igreja em geral.

Pelo amor de Deus! Onde estão os que se aninham somente para votar?

Não é possível que estes pastores, não encontraram a necessidade em se eliminar com o cargo de REI, para que de verdade, exista momentos e momentos, para que cada presidente, não seja reeleito?

A reeleiçao, somente serve para tentativas de tapar buracos de trabalhos mal resolvidos e aproximar-se, com interesse dos interessados, em conseguir a permanência de filhos e genros, sem falar na oportunidade de reunir forças para cargos políticos e seculares aimentados por interesses pessoais.

Triste! Abram os olhos homens de Deus. Abram os olhos contra o que corrompe a igreja.

Digno é o obreiro do seu salário!

Indigno é o obreiro que multiplica o seu salário como se fosse o dono de um franchise com comissões desproporcionais, recebidas pela apostasia das aposta em quem consegue mais "CONVERTIDOS".

Eu sinto tristeza, pelo que está ocorrendo, porque, o que ocorre de mal, é resultado da sugestão aos corações com a corrupção da carne para envergonhar. Somente envergonhar.

O Senhor seja contigo,

O menor.

Nill disse...

Se JW ganhar novamente, sou a favor da criação de outra convenção nacional onde os fundadores criem um estatuto altamente democrático com eleição e apenas reeleição. Já imaginaram se Lutero nunca tivesse se insurgido cotra os diversos erros dos clérigos da época? Em certos momentos é necessário tomar atitudes drásticas, sobretudo, quando há um forte cheiro de corrupção no ar. Não fazer nada é no mínimo ser conivente.

Newton Carpintero, pr. e servo. disse...

Não fazer NADA é deixar de fazer TUDO.

Fazer de TUDO para ganhar é preocupante.

O menor.

Anônimo disse...

Pastor Geremias,

Não entregam porque o negócio é bão demais

Quem quer peder uma mamata dessa? Milhoes produzindo para meia duzia mamar?

Os que querem pegar querem por causa disso mesmo.

Leonildo Zaqueta

Nill disse...

Infelizmente alguns pastores sofrem da "síndrome de Lula", a diferença é que o lulinha respeitou a constituição, então é melhor falar em "síndrome de Chaves", é mais conveniente.

Jardel disse...

Amado pastor, li o livro Diario do Pioneiro - Gunnar Vingren, Pg. 174 a 178, algo que eu acho que alguns ditos lideres assembleianos não leram, não sabem ou simplesmente ignoram, Veja o Trecho: “Antes de este assunto ser tratado, os missinarios já haviam falado sobre ele e tinham uma proposta preparada para apresentar a conferencia. Haviam chegado a conclusão de que o trabalho nos estados do Amazonas, Pará, Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraiba e Pernambuco, onde já havia cera de 1000 mebros e 160 igrejas, deveria ser entregue inteiramente aos obreiros nacionais.
“Também foi apresentado pelos missionarios que todos os templos e locais de reuniões que pertenciam à missão deveriam ser entregues, sem nenhum custo, às respectivas igrejas locais brasileiras. Se isto não fora feito, teria de fazer-se, e estar terminado até o dia 1º de julho de 1931.
Tem como mandar um exemplar do livro para essas pessoas que acham que são donos da Assembléia de Deus?
Em Cristo.

Jardel França

Nill disse...

O mais incrível é que nesse trimeste, em Belém, Manaus e outras cidades, estamos estudando na EBD um assunto que tem tudo a ver com o momento: "Seja um Líder Inspirador". Estamos aprendendo que o Líder tem que servir e não ser servido. Será que as lições da EBD só servem para os membros, pobres mortais?

Mario Sérgio disse...

Realmente as coisas estão cada vez mais difíceis. Desconfianças por todos os lados, e um processo que vai ficando maculado, ilegítimo até. Paciência...

Nill disse...

Realmente, nesse caso, os "filhos da luz" estão mais esperto que os filhos das trevas. Amor ao poder. Apenas isso e nada mais. Quem foi chamado para servir quer mesmo é ser servido. Não querem lavar os pés do próximo, querem que lavem seus pés.

Certa vez ouvi de um filho de pastor a seguinte frase em tom de deboche: "É o dízimo de vocês que paga minha faculdade seus otários".

O objetivo do ministério se perdeu, hoje vemos um bando de "jovenzinhos" querendo ser pastor pelo simples status e porque querem pegar uma grande igreja, com trabalho consolidado. Hoje em dia, pastores novos não querem pagar o preço em longínquos lugares por esse Brasil a fora. Não querem ir pregar pra ribeirinhos, comunidades vivendo na seca, comunidades indígenas, presidiários, etc. Ser pastor virou profissão, e muito rentável por sinal. Antes, bastava ser pastor para que eu confiasse piamente no cidadão, hoje, analiso primeiro a vida e a obra do mesmo.

Daladier Lima disse...

Prezado Pr. Geremias,

Tenho abordado este assunto em blog. Infelizmente, nossa estrutura administrativa carece com urgência de uma reestruturação. Mas quase ninguém está disposto a iniciá-la.

Ps: Nos veremos na VINACC...

Abraços!

Pastor Geremias Couto disse...

É verdade, meu caro Daladier. O nosso sistema eclesiástico é híbrido e, por isso, cria todas essas disparidades.

Acho que valeria a pena conhecer como funciona a convenção catarinense, para mim o modelo mais justo no meio assembleiano brasileiro.

Daria um bom estudo de caso.

Que bom saber que nos encontraremos e nos conheceremos, pessoalmente, na VINNAC. Sigo para lá na próxima quarta-feira, se Deus quiser!

Abraços

MARCOS MARTINS disse...

PORQUE TEM QUE SER ASSIM?

Inicialmente, poderia apelar para o bom censo cristão e pastoral e inquirir textos biblicos para justificar minhas observações e pensamentos. Porém, apelo para a experiência de mais de 30 anos, vivendo a “política” interna da AD, assim como, a vida política da cidade e do estado onde vivo – O Rio de Janeiro.
Que politica interna é esta da AD? Nasci e me criei na AD, sempre tive posição de destaque nas igrejas por onde passei, nesses 35 anos (me batizei em1977) vivi como aprendizado as politicas de subserviencia e tutela pastoral, onde, qualquer falha era tida como capital de intimidação, quando digo “qualquer falha”, leia-se pecado, e isso era objeto de barganha pastoral para fazer a vontade do tutor.
Quando exerci o honroso cargo de vice-presidente da UMADER nos idos anos de 1984, eleito em congresso realizado na cidade de Campos, para um mandato de 2 anos, que vigoraria até o congresso de 1986, que estava programado para se realizar na cidade de Teresópolis, onde naturalmente, haveria eleição de uma nova diretoria. O então presidente não poderia, por força do estatuto, ser reeleito. Em assim sendo, é natural que surgissem nomes, durante o processo sucessório. Sem falsa modéstia meu nome estava em ascensão e era do conhecimento, dos que tinham interesse, que a sucessão passava por mim, até que em uma reunião em 1985, na sede da entidade em Olaria, já passados mais de um ano do congresso de Campos, fui acusado mentirosa, hipócrita e descaradamente de ser autor de desvio de recursos financeiros do congresso de 1984, quando nem acesso a tesouraria eu tinha, muito menos trabalhava na área!
Na contramão das acusações, tinha a meu favor, em razão de prestigio alcançado por Graça e Misericórdia de Deus, na condição de Coordenador de Propaganda do Congresso de Campos-RJ, empresas que nunca antes haviam contribuído em eventos evangélicos, que consegui trazer como financistas do evento, tais como: Coca-Cola, CIS Companhia Internacional de Seguros, Ótica Precisão (uma espécie de Óticas Brasil, do norte e noroeste do RJ), Rey & Co e outras pequenas empresas.

MARCOS MARTINS disse...

Continuação...Essa calúnia muito me entristeceu, levando-me inclusive a esfriar na fé, pois, isto não era aquilo que havia aprendido nas escolas dominicais, nos aconselhamentos familiares e, a bem da verdade, nem sabia que na igreja havia toda essa porcalhada! Para justificar a manutenção do “status quo” não importavam os metodos, inclusive o de enlamear a vida de pessoas – Detalhe, todos estão hoje em posições de destaque, nas convenções estaduais...
Passados anos, do episódio – Deus não falha! – um dia, um pastor, meu amigo, em conversa informal tocou no assunto, sem saber que eu era o acusado injustamente, quando me manifestei ele disse: Não mexa nisso agora, pois, tem gente grande que se envolveu e tudo se acomodou, mas sei que um dia ainda neste corpo tudo vai ser tornado público!
Todo este preâmbulo demonstra que os interesses escusos, em situações menores, levam os homens (se de Deus, não sei?) a acusarem falsamente seus “irmãos”, para garantirem seus próprios interesses. Imaginemos o que deve acontecer na calada da noite ou nas trocas de e-mails, destes que deveriam zelar, pela história da denominação, escrita com muitas lágrimas e sofrimentos... Homens que parecem santos, mas no intimo tem espirito de demônios e encantadores! Será esta a Igreja que Jesus desenhou para o Brasil, a partir de Belém do Pará em 1911? Ou será esta a Igreja que Jesus vem buscar, mesmo tendo nela cunhada a esfinge dos seus lideres deformados?
Acho que tanto o Pastor José como o Pastor Samuel teem condições de liderar-nos, tanto quanto outros muitos pastores que no dia a dia escrevem nossas historias, cabendo a qualquer um dos dois, depois de eleito, reunir os cacos e juntos trabalharem pela harmonia e unidade desta Igreja, que além de centenária é sem duvida a Igreja que vai servir de espelho e referência para muitas outras que tal como hoje vivemos, precisam de uma intervenção divinal, fazendo jus ao seu portentoso nome: Assembléia de Deus do Brasil.

Marcos Rodrigues, Pr.