segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Desordem se instala na CGADB

O quebra-cabeças da listagem oficial
A informação que este blog recebeu e tratou como se fosse boato, infelizmente ocorreu. A Comissão Eleitoral, através de seu presidente, Antonio Carlos Lorenzetti de Mello, publicou no site da CGADB, neste início de semana, novo Edital de Aviso, acompanhado de uma nova listagem de ministros inscritos para a 41ª AGO em Brasília. Após listar algumas justificativas para a ausência de milhares de nomes na listagem publicada no dia sete de janeiro, conforme normatizou a Resolução 01/12, entre elas os feriados de fim de ano, o novo edital afirma:

"a) Que foram verificados unitariamente todos os boletos emitidos e pagos, distinguidos os referentes aos pagamentos das anuidades, inscrições e débitos anteriores, através das informações prestadas pela tesouraria da CGADB, da agência bancária e da empresa administradora do software, de cuja conferência resultou a lista final de inscritos encontrada em anexo;

"b) Que, além da consulta à aludida lista, também é facultado a qualquer membro consultar a regularidade dos pagamentos através dos links na página da CGADB. As consultas poderão ser feitas clicando nos links 'Títulos Pagos - por nome' e 'Títulos pagos - por código', tendo em vista os vários homônimos, onde poderão ser vistas as informações conciliadas; data da liquidação (na agência), banco, número do título pago, data do crédito, valor do título, valor do crédito, tarifa, nome, convenção, serviços pagos ao banco e valores;

"c) Que a lista anterior publicada em 07 de janeiro do corrente ano, continuará sendo considerada apenas para fins de conferência;

"d) Que, nos termos do artigo 8° da Resolução Eleitoral, concede prazo para que as reclamações (requerimentos, revisões) sejam protocoladas na CGADB - Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, até às 18h00 (horário de Brasília) do dia 29/01/2013, terça-feira, acompanhadas dos meios de prova que pretenda produzir, devendo ser encaminhadas à Secretaria-Geral, à qual, de ofício, autuará o pedido, pedirá informações à Tesouraria-Geral e encaminhará à Comissão Eleitoral para decisão, tendo em vista que nos termos do artigo 54 do Regimento Interno, todos os requerimentos deverão estar julgados até o dia 31/01/2013".

Antes de continuar em minha análise, vale repetir, aqui, o que escrevi quanto tomei conhecimento do "boato" que acabou confirmado: "Se [...] for verdade, republicar hoje a listagem oficial com todas as correções assentadas é outro grave erro que se cometerá, tumultuando ainda mais o processo, pois o prazo para a interposição de recurso, de acordo com o que prevê a Resolução Eleitoral, só termina no dia 22 de janeiro".

Dito isto, vejamos, por etapa, as incongruências do novo Edital de Aviso e da nova listagem:

1. Descumpre a Resolução Eleitoral quanto ao cronograma, que previa a seguinte sequência: a) 28 de dezembro de 2012, encerramento das inscrições; b) cinco de janeiro de 2013, encaminhamento da listagem de inscritos pela Secretaria-Geral à Comissão Eleitoral; c) sete de janeiro, publicação da listagem de inscritos pela Comissão Eleitoral.

2)  Desconsidera e humilha milhares de pastores que interpuseram recursos e agora terão outra vez de percorrer a via crucis para ver se os seus nomes constam da nova listagem, visto que a anterior - a de sete de janeiro, a única que tem prerrogativa legal, a meu ver, do ponto de vista da Resolução Eleitoral - só será "considerada para fins de conferência".

3) Caso alguns desses pastores não localizem os seus nomes, terão de entrar com novos recursos, apresentando "meios de prova" até o dia 29 de janeiro às 18:00hs (horário de Brasília), período extremamente exíguo para quem mora distante e precisa contar com a garantia de que os sistemas de comunicação funcionarão a contento para ter os seus pleitos apresentados no prazo.

Não quero ser profeta do caos, mas também não posso ser omisso. Da forma como foi feito, está instalada a desordem. Teria sido muito melhor, mais prático e transparente se fossem mantidos os ritos como previstos na Resolução Eleitoral, com o prazo para a interposição de recursos terminando no dia 22 de janeiro e, a partir daí, de posse das informações fornecidas pelo banco e do cadastro dos ministros filiados à CGADB, a própria Comissão Eleitoral, com o apoio de técnicos habilitados, fazer a conciliação bancária com a presença dos candidatos ou de seus representantes, para, então, publicar a lista final no dia 31 de janeiro. Não tenho dúvida que acabaria com qualquer celeuma.

Reconheço que com essa nova listagem, o presidente da Comissão Eleitoral apresentou duas novas ferramentas de consulta, que são os títulos pagos por nome ou por código, acompanhados de todos os trâmites bancários. Mas volto a insistir na tese de que nem todos os pastores estão acostumados com essas interfaces e terão de contar com a ajuda dos secretários de suas convenções. Por outro lado, por que manter essa lista guardada a sete chaves? Creio que se evitariam esses desencontros, se todos os candidatos tivessem acesso a ela, bem como as respectivas convenções estaduais. Mas sem isso fica a impressão que o propósito é dificultar para sempre culpar a chapa concorrente de tumultuar o processo pelas "cobranças indevidas". Volto a dizer: "Transparência não é opção. Ela é a garantia da lisura de qualquer processo".

Mas as incongruências não param aí.

Embora tenha havido os feriados de fim de ano, tivemos oito dias úteis do dia 28 de dezembro de 2012 até o dia 11 de janeiro de 2013, data em que, de acordo com o Edital de Aviso, teriam sido finalizadas as informações bancárias à tesouraria da CGADB. Ora, é tempo demasiadamente longo nesta era caracterizada pela velocidade da informação. Mediante consultas já feitas com as ferramentas sugeridas, descobriu-se que pagamentos feitos no dia 28 de dezembro de 2012 já tinham sido confirmados no dia 3 de janeiro de 2013 sem que os feriados atrapalhassem! Como se explica, então, essa demora até o dia 11 de janeiro, oito dias úteis?! Eu mesmo fiz o pagamento na agência lotérica que funciona nas imediações da CGADB no dia 18 de dezembro e já no dia 21 estava creditado. Ressalte-se: não foi numa agência bancária. Foi numa agência lotérica! Veja o fac-símile abaixo.

Há casos de ministros consultados que apenas pagaram as anuidades, sem a inscrição, mas os seus nomes constam indevidamente da nova listagem, enquanto missionários e pastores jubilados, que  têm direito à isenção, não tiveram os seus nomes arrolados, apesar de se inscreverem no prazo legal. Em outras palavras, será outra trabalheira daqui até o dia 29.

Reitero, por fim, o que afirmei na postagem anterior: O jabuti continua na árvore, só não se sabe quem o colocou lá!

Veja por ordem alfabética os nomes da nova listagem:

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Y Z

Clique aqui para fazer a consulta de pagamento por nome de ministro.

Clique aqui para fazer a consulta de pagamento pelo número de inscrição na CGADB.

Fac-símile do meu boleto de pagamento no dia 18 de dezembro e do comprovante de crédito no dia 21 de dezembro, portanto três dias úteis:




3 comentários:

Newton Carpintero, pr. e servo. disse...

Caro pr. Geremias do Couto,

A paz amado!

Me ocorreu um pensamento "insano"(?).

Penso ser melhor para evitar a vergonha que poderá ocorrer via interneto com a "humilde" divisão da CGADB.

Exemplo: dividir o Brasil em duas áreas com o título de CGADB CÉU #1 e CGADB CÉU #2.

Permitiriam a cada presidente a honra de poder por apenas maid 25 anos e quando terminarem, seus mandatos ou reinados, para não existir outra confusão, somente poderiam indicar filhos ou genros.

Creio que a partir deste momento, não haveria mais peleja.

Parece que não há quem se alinhe com outra saída para este frágil momento.

Milhares de líderes que se jubilaram candidamente em seus assentos para não serem participamtes desta disputa continental.

Pelo amor de Deus, falta valentes ou existem muitos covardes que não desejam ocupar o trono?

É inadmissível!

O Senhor seja contigo, nobre pastor,

O menor dos teus irmãos, com a certeza que haverá uma grande divisão no Brasil, para a honra e a glória de Deus. Basta de glórias para os homens.

Nill disse...

Quando eu era criança pensava que o Pastor era um homem sem defeitos, sem mácula alguma e que estava mais perto de Deus de que qualquer outro ser na face da terra. Depois, quando passei pela adolescência, descobri que isso não era verdade. Pastores erram, tomam decisões precipitadas, brigam entre sim, brigam com as ovelhas, ficam de mau uns com os outros, mentem, quebram regras, leis e tudo mais. Não quero aqui dizer que tudo isso é normal. Pelo contrário, nossa denominação sofre não por causa dos "maus pastores", mas por causa dos bons pastores que nada fazem para que essa situação mude (salvo algumas exceções). Nossa igreja virou um país onde só existem dois partidos: o JW e o SC. Se um dia quem sabe Deus me conceder a honra de ser escolhido para o ministério, pelo menos tentarei fazer algo para mudar a situação.

Prof Marcos Santos disse...

Pr Geremias

Tenho lido todo o estatuto desta convenção e também o edital de convocação eleitoral desde de julho, quando foi iniciado o processo de convocação da AGO e concordo plenamente com o senhor quanto as ilegalidades cometidas. Se o prazo para a quitação dos valores estão errados, temos de lembrar que findou em setembro o prazo para as filiações e desde este mês, já estavam disponibilizados os boletos para quitação de débitos tanto da anuidade quanto da inscrição da AGO, que equivale a uma anuidade completa (pagamos duas vezes pelo mesmo serviço?).
Todo ser racional sabe que a data proposta para quitação desta inscrição estava inserida em um prazo complicado e caberia a comissão eleitoral ter decidido antes da data final prevista tanto no edital como como no estatuto.
Se levarmos em conta que, a salvo incompetência bancária, a confirmação de pagamento não demora mais de duas semanas o que temos ai se trata na melhor das hipóteses incompetência do setor financeiro ou, que Deus nos guarde de viver novamente esta situação, MÁ FÉ.
Somos muitos mas não estúpidos ou iletrados para não ver ai sinal de vício que fere diretamente o estatuto e o edital de convocação, mas seremos longânimos com a atual administração ATÉ QUANDO?