sexta-feira, 8 de julho de 2011

Terceira Via na CGADB: conheça as propostas (1)


Há algum tempo tenho falado sobre a hipótese de uma terceira via na CGADB. Já ventilei o assunto com vários pastores, incluindo-se aí alguns presidentes de convenções estaduais. Encontrei bastante receptividade. Sei que se trata de uma proposta bastante arrojada e que terá de enfrentar muitos desafios para ser viabilizada. Pelos comentários da postagem anterior, e por tantos outros que recebo pessoalmente, percebo, de um lado, terreno bastante fértil, mas, de outro, as legítimas preocupações naturais sobre como lograr êxito diante de um quadro já polarizado entre dois nomes – José Wellington Bezerra da Costa e Samuel Câmara – que certamente estarão mais uma vez, em 2013, postulando a presidência da CGADB.

Tenho por hábito não sonhar acordado. Não vivo de glamour. Os meus pés não pisam as estrelas. Sei que as luzes do palco se apagam. Sei também das imensas dificuldades pela caminho e, sobretudo, busco estar antenado à soberania de Deus, mesmo com todas as minhas ambiguidades e fragilidades. Mas deixo este ponto para a conclusão da postagem. O que desejo destacar, agora, é o fato de nenhuma ideia ter prosperado, não houvesse alguém que tomasse a iniciativa.

Sempre encontramos, ao longo da história, quem estivesse disposto a riscar o fósforo – no bom sentido, é óbvio – e incendiar o mundo com os seus bons ideais (não desconheço também que o mal usa as mesmas ferramentas, às vezes até com mais eficiência). No inicio foi uma pequena chama, que se poderia apagar com o sopro da própria boca. No entanto, muito do que hoje desfrutamos resulta do esforço criativo de pessoas que acreditaram nas suas propostas, embora, inicialmente, parecessem plantar em terreno árido. Com sinceridade, não sei qual será o resultado final da ideia que estamos semeando, mas alguém precisava dar o pontapé inicial. Eu me dispus a fazer isso, com todas as consequências que possa acarretar.  

Em primeiro lugar, a proposta da terceira via na CGADB visa romper a polarização que aí está já há alguns anos, como se houvesse na organização apenas duas pessoas qualificadas para postularem a presidência. Sem entrar no mérito da capacidade dos dois nomes acima citados, há muitos outros quadros na Convenção Geral que têm condições de sobra para exercer a função. O pastor Maurício Brito questiona, em seu comentário à postagem anterior: “Quem se habilita?” É uma pergunta retórica, pressupondo que não há quem tome a iniciativa. Até quando vamos aceitar o status quo? Bem lembrou Carlos Lucena: quanto mais candidatos houver, melhor para a CGADB. O estatuto em vigor contempla essa possibilidade.

Em segundo lugar, a proposta não se vincula, por hora, a um nome. Se viesse já carimbada, perderia finalidade para se tornar apenas mais um projeto político-eclesiástico, com as mesmas nuances negativas que sobrecarregam as duas possíveis candidaturas mencionadas. Neste momento, é extremamente importante que se conheçam as linhas mestras da terceira via para que sejam bem debatidas entre os filiados da CGADB não só para que lhe agreguem valor, mas, sobretudo, para que tenhamos noção exata da sua viabilidade. Mais à frente, com a proposta bem consolidada, se definiria o nome de quem melhor encarnasse os seus princípios. 

Em terceiro lugar, a terceira via não pretende percorrer os caminhos supostamente percorridos pelos postulantes das eleições anteriores, tanto no Ahnembi, em São Paulo, quando a candidatura de “oposição” inaugurou um novo estilo de fazer campanha, quanto em Serra, ES, em que os dois teriam lutado ombro a ombro com as mesmas armas. Recebi por email a informação que uma campanha desse gênero custaria entre cinco e 10 milhões de reais. A ser verdade, e tivesse a terceira via de empregar tal estratégia, já nasceria morta, pois carregaria sobre si o estigma contra o qual temos combatido: o uso de métodos seculares de campanha pouco ortodoxos na CGADB. Lutar contra isso é uma das linhas mestras da terceira via. 

Em quarto lugar, a proposta tem como fim resgatar em nossa CGADB os valores do Reino que tanto pregamos em nossos púlpitos e que, neste trimestre, se constitui a espinha dorsal das lições bíblicas de nossas escolas dominicais. Somos bons em ensinar aos outros, mas ruins quando temos de praticar o que ensinamos. É constrangedora essa afirmação, mas o comportamento de muitos pastores em nossas assembleias convencionais não comporta pensar de outra maneira. Pressupor, por exemplo, como algo natural à vida de uma instituição cristã o modus faciendi  da política secular é visão reducionista e, ao mesmo tempo, dicotômica, como se a vida cristã fosse compartimentada. Aqui se vive de uma forma. Lá se vive de outra. O comportamento que ensinamos aos outros, à luz dos princípios bíblicos, precisamos exigi-los de nos mesmos onde quer que estejamos. A terceira via tem esse ponto como premissa básica. 

Percebo que a postagem se tornará longa, se continuar a apresentar os demais pontos. Ficarão para uma segunda postagem. Todavia, para cumprir o que prometi acima, afirmo que não quero jamais lutar contra a soberania de Deus. O que isso significa no contexto em que escrevo? Pode ser que o propósito divino seja mesmo a implosão do nosso sistema institucional. Se o for, sequer a terceira via será capaz de impedir. Todavia, devo seguir adiante com a proposta por uma razão muito simples: quem sabe o Senhor nos está dando, também, uma última oportunidade para que a vinha floresça? 

Nada melhor, portanto, do que terminar com um dos pedidos da oração do Pai Nosso: “Venha o teu Reino, faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu”, Mateus 6.10.

25 comentários:

Pregador do Evangelho de Jesus Cristo disse...

Querido Pastor Geremias senti saudades das suas postagens...
Quero lhe pedir que nos dê a honra de conhecer e "quem sabe seguir" o nosso blog!!!
http://profetadoevangelho.blogspot.com/

Paz.

Judson Canto disse...

Caro Geremias,

Você está certo: o processo deve começar pelo resgate dos valores do Reino ("premissa básica"), mas isso exige uma adesão em massa dos pastores. Se há mais de vinte anos as campanhas vêm sendo caracterizadas por práticas escusas e cada vez mais escandalosas é porque os ministros, de alguma forma, se acomodaram à situação. Não é solução que baste por si mesma, porém seria um bom começo se todos se recusassem a votar em quem adota alguma prática imoral.

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Prezamigo pr. Geremias do Couto,

A paz de Cristo, o nosso Senhor!

Os parágrafos utilizados em seu texto, permitem, a exoneração de qualquer dúvida, à necessidade de uma possível terceira via. A TERCEIRA VIA é necessária, oportuna e uma excelente alternativa ao estágio em que os corações necessitam de descanso e consenso.

Creio ser importante não acomodar a situação como muitos pretendem. Uns por interesses pessoais e outros por consignação, menos mal se responsavelmente, aplicassemos a sugestão que merece aplausos.

Permita-me mais uma vez, trazer a este comentário, uma observação de grande valor da sua matéria, apenas para uma nova avaliação e conscientização dos comentaristas:

“Todavia, devo seguir adiante com a proposta por uma razão muito simples: quem sabe o Senhor nos está dando, também, uma última oportunidade para que a vinha floresça?”

O Senhor seja contigo, nobre pastor,

O menor de todos os menores.

Anônimo disse...

pastor o sr esta cobeeto de razao temos que ter opcoes !!a terceira via pode ser uma !!! vinicius couto

Valter Borges disse...

Segundo Weber, quem está no poder, não quer sair e fará de tudo para perpetuar o sistema que o favoreça!
Entretanto, o próprio Weber enfatiza que não o poder é tomado à força!
Além disso o embate político se dá em território e lógicas próprios. Portanto, qualquer alteração, segundo Marx, só ocorrerá quando o sistema tornar-se intolerável, intragável; pois, daí se procedem as revoluções. Pois, com a CGADB, só haverá solução com a reação aos abusos com a forte mão de Deus.
Consuderando, inclusive os apoios e acordos de bastidores para assegurar o reino aqui na terra de homens que se dizem de Deus!
Então para uma terceira via, prepare-se, pois não será pacífica. E, quem for mais forte chorará menos!
Weber afirma que não há compatibilidade entre poder político (mesmo nas igrejas) e o cristianismo!
Que Deus nos ajude!

Cícero Leandro Júnior disse...

Paz seja contigo, caro irmão!

O surgimento de uma terceira via é deveras salutar para a CGADB, isso é fato. Acredito que, como servos do Senhor, devemos resgatar os valores do reino de Deus, que se perderam em meio a tanta coisa errada que temos presenciado nos últimos anos. No atual estado das coisas, é necessário que haja uma terceira via. Tal qual Neemias, é necessário que alguém restaure os muros.

No fim das contas, a despeito do resultado que venha a ocorrer, a vontade de Deus será efetuada, pois Ele está no controle de tudo.

Que Deus o abençõe.

PS: vou divulgar no facebook e no twitter, sim?

Victor Leonardo Barbosa disse...

Excelente iniciativa,pastor Geremias, creio que mais do que nunca, as propostas da terceira via devem começar a florescer e se sistematizar.

Aguardo a segunda postagem para tecer mais comentários.

Pastor André Couto disse...

Posso me candidatar?

Pastor André Couto, vote em mim!

Brincadeirinha,

Deus lhe abençoe.

PR MAURICIO BRITO disse...

pr Jeremias,
1. Primeiramente agradeço por citar meu nome no belissimo texto, que acabo de ler.

Pr Jeremias quando fiz a pergunta no comentário anterior, "3º via quem se habilita? o que eu quis dizer não é a falta de capacidade dos pastores; na verdade eu pretendia dizer que o pastor que propor a se candidatar a cargos da CGADB poderá ser taxado de divisor, usurpador, opositor, pois o proprio mensageiro da paz na edição publicada pós-eleição do Hahembi-SP, disse Materia assinada pelo jornalista Antonio Mesquita que o Grupo do Samuel Camara eram os opositores. Portanto, neste sentido.

2. Por outro lado temos mais de 30 mil pastores filiado á CGADB; será que só dois reuni as condições de presidi-las? Penso que temos que acabar com o DUALISMO e incentivar e apoiar os que quiserem colocar seus nomes para apreciação dos convencionais; mas de maneira justa e igualitária.

3. O Que se precisa discutir também é o uso da maquina por partes daqueles que estão no poder, nas elições de Serra-ES; foi feito o uso da maquina para beneficiar um determinado candidato; todos os orgãos da CGADB estavam a serviço do candidato e também os funcionários; lamentavelmente.

Pb. Leomarcos Silva disse...

Prezado Pr. Geremias, graça e paz...
Há uma realidade da qual não podemos fugir: o noivo vem aí e precisamos arrebatar as almas do inferno. Neste mundo apóstata, é necessário que nós façamos a diferença. A proposta da TERCEIRA VIA é a mais sensata que pude observar, no âmbito convencional, nos últimos anos. Deixando de lado toda hipocrisia, contestações, acusações e desordens que temos observado nos últimos pleitos, precisamos reavivar o amor que há em nossos corações e desempenharmos a tarefa básica do cristão: IDE POR TODO MUNDO E PREGAI O MEU EVANGELHO A TODA CRIATURA.
Por isso, conte com meu apoio. Vamos mudar a nossa atitude e resgatar os propósitos primordiais de nossa CGADB que, por muito tempo, foram trocados por interesses próprios.

Deus o abençoe abundantemente!

Pr. Leomarcos Silva

ASSEMBLÉIA DE DEUS MINISTÉRIO DE TIETE SP disse...

A Paz meu pastor;
Li o seu artigo e fiquei pensando;quando se quer mudanças a primeira coisa a fazer é ter a capacidade de conjugar bem as idéias,e isto já vi que o senhor tem.
A segunda é saber o pensamanto coletivo pastoral, e isto suponho tb que já existe,a insatisfação é muito grande e cabe a nós a predisposição de trazer á tona esse sentimento a nova geração.

Conte com as minhas orações e com o meu humilde blog.
Um grande abraço.
Pr Joel

Conte com nossas orações

Matias Borba disse...

Pastor Germias,
a Paz!

Eu apenas assinarei seu texto, e farei minhas as palavras do Judson Canto.
Depois de tudo o que já vimos sobre o que envolve a CGADB e sua política eclesiástica, penso que o termo mais contundente agora é "resgate dos valores perdidos!".

Já tivemos muitas perdas, lavagem de roupa até na TV, é hora de resgatarmos a alegria de outrora, onde os pastores mesmo em suas diferenças tinham mais consciência da importância da comunhão em nossa AD.

Eu poderia dar nomes a homens de Deus que encabeçariam a terceira via, temos muitos com capacidade maior dos que estão sentados no trono por 20 anos e dos da concorrência; mas isso é mais a frente.

Deus abençoe mais uma vez e forte abraço!

Ainda existe uma esperança disse...

Um nome que se deveria pensar é o Pr. Ailton José Alves de Recife.

Jessé Lima disse...

A paz do Senhor querido PASTOR

Não conheço a sua proposta na integra da chamada "terceira via", por isso acho me impedido de tecer um comentário mais contundente, por hora deixo apenas as "impressões" que seu texto causa ao leitor.
Quando o Senhor escreve,"romper a polarização que ai esta" e logo em seguida emenda uma explicação apenas retórica do mérito dos dois postulantes, fica evidente a sua depreciação pelos dois postulantes, bem sabemos que nunca foi vedado a candidatura de nenhum ministro devidamente convencionado, e nenhum ministro foi coaptado no sentindo pejorativo da palavra,se o nobre Pastor deste Blog acredita que houve má fé porque quando o senhor escreve "recebi por email a informação que uma campanha desse gênero custa em torno de cinco a dez milhões de reais" então que o nobre pastor prove o que diz e pare de especular, pois esse tipo de especulação trazida a publico não edifica em nada no Reino apenas dividi, não soma não gera força as convenções nem aos seus convencionados que por sinal, caso o Senhor tenha esquecido são pastores ungidos com a mesma unção que o senhor foi ungido, são seus pares seus companheiros de batalha.O postulante que atualmente ocupa o cargo de Presidente batizou mais de seis mil almas apenas na Capital e em todo o Estado de SP que ele é presidente de fato e de direito foram mais de 16 mil almas batizadas nas águas, o segundo postulante fez uma das mais belas festas de que se tem noticia no meio pentecostal, Eles com certeza não são os "melhores", os "caras" mais com com certeza Deus os fez dignos de ocuparem as posições que horam ocupam no universo Assembleiano.PENSE NISSO

Pastor Geremias Couto disse...

Meu caro "Jessé Lima":

Gostaria imensamente de publicar o seu comentário até para poder responder cada um dos pontos que levanta.

No entanto, quando clico no seu nome, ele me remete para a página do Yahoo de modo que a sua identificação fica prejudicada. Lamento! Se tentar de outra forma, o seu comentário será aceito.

Abraços!

Fabrizzio Cruvinel disse...

A Paz do Senhor!

Pr. Geremias...

Vejo como positivo propor uma terceira via para a nossa Convenção Geral...

Porém corre-se o perigo de, para obter exito, esta nova chapa também utilize de mecanismos que a duas outra forças utilizam...

Penso que esta terceira via tem que ser mobilizada no campo das idéias, motivar vários convencionais a estarem presentes nas eleições de 2013 e se posicionarem contra a politicagem, contra o partidarismo, porque desta forma a richa que há entre os dois polos será amenizada,pois verão que se utilizarem métodos antiéticos serão penalizados, ou seja, não receberão os votos que tanto almejam....

Bom isto é um ponto de vista de um mero cooperador!

Gosto muito dos seus post...

Deus continue o abençoando!

Abraços...

Em Cristo,

Fabrizzio Cruvinel

Filipi Rosálio da Silva disse...

Caro Pr. Geremias, a Paz do Senhor!

Vejo que a Igreja Assembléia de Deus precisa ser reformada a começar por sua liderança. É inadmissível a idéia de que o governo de uma Igreja centenária fique entre duas pessoas. Como o senhor apropriadamente disse, temos na denominação inúmeros servos de Deus aptos a liderar a Igreja, homens que reúnem qualidades essenciais ao obreiro - homens de bom testemunho, cheios do Espírito Santo e de fé, cheios de sabedoria, irrepreensíveis...
Acabamos de completar cem anos, somos no mundo a maior Igreja Pentecostal. Pensar em novos rumos hoje implica em repensar os sistemas. Avaliar o que deu certo aprimorando-o e substituir o que não deu certo. Nenhuma obra segue com sucesso sem um balanço constante. Não se pode estabelecer um método e seguir com ele sem repensá-lo.
Muita gente já desistiu da denominação porque essa premissa foi esquecida. Gente de valor, gente talentosa que hoje poderia estar contribuindo muito com a obra.
Já perdemos muitas pessoas por causa de nosso sistema engessado onde quem está em cima não desce e quem está embaixo não sobe; onde o governo é de poucos, onde o grupo é fechado e onde a liderança é de pai pra filho.
Precisamos de flexibilidade,precisamos deixar que homens e mulheres vocacionados façam parte, precisamos permitir que Deus novamente diga quem deve assumir.
Que a liderança seja decidida por Deus e que quem estiver no poder seja capaz de aceitar isso.
Oremos para que Deus nos ajude.

Pastor Geremias Couto disse...

Caro Jessé Lima:

Tendo em vista o seu último comentário, em que oferece o seu email e se identifica para receber as respostas, optei por publicar o comentário anterior.

Veja as minhas considerações aos principais pontos que o irmão levanta.

1) O irmão pressupõs que eu depreciei os dois postulantes. É direito seu. Mas veja o que eu disse: "sem entrar no mérito da capacidade dos dois nomes citados". Em outras palavras, não quis discutir se têm ou não competência para a função. Esse foi o ponto. Se fôssemos tratar disso, iríamos longe, pois todos têm virtudes e defeitos. Todos podem ser bons numa área e ruins em outra, todos podem até ser competentes, mas estarem tão desgastados que já não têm estrutura para uma boa administração etc. É da vida.

2)O irmão pressupôs que eu especulei ao citar o email com os valores que corresponderiam ao custo de campanhas do gênero. É um equívoco. Não fiz conjecturas. Tenho em meus arquivos a prova do que disse - o email - e, se necessário for, pode ser apresentada de maneira formal em qualquer fórum legítimo para isso. Não aqui. Por outro lado, o irmão acredita que as duas campanhas anteriores foram feitas de graça? Se isso aconteceu, a galinha também criou dente. Bom seria que o estatuto exigisse dos candidatos apresentar relatório dos gastos em busca de votos. Mas é omisso nesse ponto.

3)O irmão afirma que sempre houve espaço para outras candidaturas. Vamos esclarecer esse ponto.

a) Pelo estatuto anterior, o postulante(ou chapa) tinha de ter o respaldo de 30 assinaturas para formalizar o registro. Hoje, não há mais necessidade. Qualquer um que esteja com a "vida em dia" pode postular. É óbvio que conseguir 30 nomes que respaldassem a postulação não era tão difícil. No entanto, é uma diferença.

b. O irmão há de convir que nem todos se sentem vocacionados para postular a presidência ou outros cargos da CGADB e preferem manter-se no "anonimato".

c.Por outro lado há aqueles que até se atreveriam, mas o irmão também sabe que, embora pareça simples, estatutariamente falando, na prática não é assim que funciona. Há muitos outros elementos no processo que tornam difíceis outras postulações. Não é preciso que eu os enumere.

d) Com isso, ficamos, sim, polarizados entre dois nomes, nos últimos anos, pois não é fácil "furar" o sistema. Só não enxerga os fatos quem não quer ou "precisa" não enxergar.

4) Não discuto a unção de ninguém e nem o mérito de seus pastorados. Que bom ter o atual presidente batizado mais de seis mil dentro das programações do Centenário. Se batizasse 10 mil seria melhor. Não se poderia esperar outra coisa de um ministério tão grande como o Belenzinho. Que bom ter o pastor de Belém, PA, liderado uma festa bonita em comemoração aos 100 anos. Se pudesse fazer uma festa ainda mais esplendorosa, seria melhor. Mas o irmão também sabe que o Centenário assembleiano foi um dos pontos de discórdia entre ambos os nomes, como resultado dessa polarização. Isso não é teoria, suposição ou especulação. É fato.

Bem, fico por aqui.

Abraços.

Pastor Geremias Couto disse...

Caro Fabrizzio:

Suas preocupações são legítimas. Mas não se esqueça do parágrafo onde afirmei que a terceira via nasceria morta se empregasse as mesmas estratégias. Se, no momento oportuno, em que os candidatos se apresentarem, todos lançarem mão dos meios que condenamos, fique certo que eu não estarei participando disso e nenhum deles se constituirá a terceira via.

Daladier Lima disse...

Com medo de chover no molhado digo: precisamos de uma terceira via! Requisitos:
1) Não esteja ligado à atual administração, digo com unhas e dentes;
2) Não tenha fomentado e mantido problemas aonde administra hoje;
3) De preferência com formação em administração ou área afim, ou seja, com perfil de gestor estratégico;
4) Seja alguém de trajetória reconhecida, humilde e unido com seus pares, com autonomia para discordar;
5) Que não seja megalomaníaco;
6) Que tenha projetos plausíveis e inovadores.

Abraços!

Anônimo disse...

Uma resposta para: Ainda Existe Uma Esperança; Perca a esperança, pq o Pastor Ailton José (PE), não faz parte do perfil dos "iluminados" desta nova via. Ele é "conservador dos bons usos e costumes" ( que "antigamente" se chamava santidade do corpo - 2 Ts 5:13 ). Se não fosse as atrapalhadas do SC, ele seria o iluminado escolhido, pq é liberal e tem a mente aberta para o "mundo". O dono deste blog, tb se enquadra neste perfil. Tem que ser um Pastor assembleiano universal, mundial,internacional... Pb. Roberto Rocha

Pastor Geremias Couto disse...

Meu caro pb. Roberto Rocha:

Este blog sempre aceitou o contraditório. Sinta-se à vontade. Mas também se permite a réplica.

Vamos a ela:

Em relação a nomes, a proposta da Terceira Via pensa que para encarnar as suas teses é preciso que essa pessoa tenha: 1) compromisso com Deus; 2) compromisso com os princípios da Palavra de Deus, e 3) compromisso com a Assembleia de Deus. No momento certo, se essa for a vontade do Altíssimo, o nome há de surgir no cenário para cumprir o propósito que lhe convém.

Por fim, peço licença a Jesus para usar as mesmas palavras que ele empregou para certas pessoas de sua época muito parecidas com o irmão:

"Porque veio João o Batista, que não comia pão nem bebia vinho, e dizeis: Tem demônio; Veio o Filho do homem, que come e bebe, e dizeis: Eis aí um homem comilão e bebedor de vinho, amigo dos publicanos e pecadores", Lucas 7.33,34.

Pr. Leandro Rezende disse...

Prezado Pastor Geremias,

A paz do Senhor amado!

Pergunto ao querido: - como o senhor pensa em compor a mesa diretora e demais departamentos da CGADB, via Terceira Via?
Pergunto, pois há um problema crônico de alianças no âmbito da CGADB, pois quando uma convenção tenta se aproximar mais da Geral tem a seguinte resposta: "Não podemos! Estamos com pastor ou convenção tal!"
E, falo, pois já presenciei isso na minha convenção regional, onde o Presidente comentou que iria apoiar outro candidato por causa disso.
E vemos muitas insatisfações, quando o ideal é unir e não distanciar!

O que o senhor acha de ter um representante de cada Convenção Regional na composição da mesa e departamentos, e, se possível, indicado pelos Presidentes regionais? Sem lhe tirar, claro, o direito de coordenar os cargos chaves entre as Conveções.

Abraços, e a paz do Senhor!

Pr. Nelito Lopes disse...

Caro Pr. Geremias,

A terceira via é necessária... No estado democrático de direito isso é normal! Monarquia aqui não funciona, apesar da bondade dos irmãos assembleianos. Seus comentários são inteligentes e merecem destaques em todos os segmentos da sociedade. Obrigado p sua participação ao vivo em nosso programa de rádio(amazonia viva FM) em Belém! Vc continua sendo nosso grande mestre.

Julio Santos disse...

Pastor Geremias a paz do Senhor!
Infelizmente a CGBAD virou uma dinastia e um casulo de nepotismo que causa inveja em qualquer ramo político, aliás a Assembléia de Deus tem sido mais política do que religiosa. Sou da AD há mais de 20 anos e tenho visto coisas que os nossos patriarcas ficariam envergonhados se estivessem aqui. Por isso não comemorei o centenário e sim continuei a fazer a obra que Jesus mandou. Precisa-se renovar e tirar essa velharia que já provou ser mais política do que eclesiástica. O que aconteceu com o catolicismo há muito tempo, está acontecendo em nosso meio nos dias atuais. Me sinto envergonhado e estou orando e crendo que Deus irá intervir e enfim resgataremos a nossa originalidade que é ser representante do Reino de Deus aqui na terra. Não sendo cético, acredito pouco em mudanças, enquanto não houver uma intervenção divina. Mas vamos colocar a boca no pó talvez ainda haja esperança.