quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Teresópolis: primeira parcial da entrega de donativos



Um dos diversos carros soterrados no Caleme
Estamos há 13 dias da catástrofe que se abateu sobre a região serrana do Rio de Janeiro, que, segundo o ONU, classifica-se entre os 10 maiores desastres naturais do mundo em anos recentes. Teresópolis, cidade onde residimos no Brasil, e que, ao lado de Nova Friburgo, foi uma das mais afetadas, começa a voltar ao curso normal, mas o rastro da destruição perdurará por alguns anos. Cercada de muitas áreas de risco, não será tarefa fácil reconstruí-la mediante concepção urbanística que, pelo menos, reduza os danos causados por esse tipo de tragédia.

Os números oficialmente divulgados pelo governo estão aquém da realidade. A destruição de bairros inteiros e o assoreamento de grandes áreas indicam que ainda há muitos corpos soterrados, os quais, provavelmente, jamais serão encontrados. A título de exemplo, um ribeiro no bairro de Campo Grande corre hoje quatro metros acima do seu antigo leito, evento que se repete em outras localidades. O grande desafio imediato será oferecer moradia segura para mais de cinco mil desabrigados e seis mil desalojados (famílias cujas casas foram interditadas por estarem em área de risco).

As instituições religiosas de maneira geral, ao lado da Cruz Vermelha, cumpriram bem o seu papel na prestação dos primeiros socorros às vítimas. Foram vitais para que se evitasse o estrangulamento, dada a estupefação inicial que tomou conta da administração municipal pelo despreparo para lidar com catástrofes desse porte. Posso afirmar, sem nenhuma dúvida, que não há família atingida que tenha deixado de ser atendida em suas necessidades básicas.

Metade da casa assoreada
Entre os evangélicos teresopolitanos viu-se o mesmo desprendimento. Galpões anexos aos templos das igrejas foram transformados em abrigos, enquanto outras usaram o próprio espaço de culto para estocar e distribuir alimentos, levados lá na ponta onde havia famílias a serem socorridas, reforçando a despensa de famílias que abrigaram parentes desabrigados e mesmo suprindo abrigos para que não faltassem ali as refeições aos necessitados. Como já mencionei na postagem anterior, igrejas de outras cidades e até mesmo de outros estados, empresários e profissionais liberais fizeram chegar às nossas mãos toneladas de gêneros de primeira necessidade. A Samaritan's Purse, presidida por Franklin Graham, fez uma remessa emergencial de dez mil dólares, que estão sendo revertidos em novas cestas básicas para atender a demanda que ainda continua grande.

Em nossa igreja, sob a orientação dos pastores que a lideram - Marcos Bazílio e Adilson Araújo - aos quais apoio como presidente de honra, o nosso foco, agora, é estarmos preparados para o tempo das vacas magras. Serão dias difíceis, com as lavouras destroçadas, o turismo em queda e a falta de giro no comércio. Haverá muito desemprego. Além de outros projetos que já estão sendo delineados, nosso plano é manter um estoque regulador, usando a estratégia de José do Egito, para atravessar esse vale até que a cidade se normalize

Creio, por outro lado, que é nosso dever prestar contas do que tem sido feito. Este é um dos pontos de bastante realce no livro Pastor Pentecostal, lançado pela CPAD. A prestação de contas traz credibilidade e estimula a quem contribui a fazê-lo ainda mais e com alegria por saber que os seus recursos estão sendo bem aplicados. Como este blog foi (e continuará sendo) instrumento de divulgação e captação de doações, segue abaixo, de forma resumida, o primeiro relatório parcial das distribuições feitas por nossa igreja até ontem à tarde:


1) 410 cestas básicas


2) 3586 litros de água mineral


3) 169 fardos de fraldas descartáveis


4) 76 kits de limpeza


5)193 kits de higiene pessoal


6) 496 quilos de leite em pó


7) 160 sacos de roupa


8) 1676 quilos de alimentos no varejo

A igreja continua de portas abertas. Temos ainda um bom estoque, mas toda doação é bem-vinda, visto que o quadro emergencial ainda não passou e, como já disse, queremos estar preparados para o tempo das vacas magras. Anote o nosso endereço e telefone: Rua Heitor de Moura Estêvão, 512 - centro, Teresópolis, RJ. Tel.: 21 2643 5629. Se você deseja fazer depósito bancário, sugerimos que seja identificado para a seguinte conta: Assembleia de Deus - Centro Missionário Cristão, Banco Itaú, agência 0807, conta corrente 51408-8. Ressalte-se que as igrejas se intercambiam. Umas suprem as outras naquilo que elas não têm. Tambem publicaremos nos próximos dias uma série de fotos do trabalho realizado por nossa igreja, seja na estocagem de alimentos, seja no trabalho de campo.

Por fim, escrevi no twitter que estava dando tempo ao tempo, mas me preparava para, em hora oportuna, publicar postagem no blog, que, provavelmente, desagradará muita gente. Continuo no aguardo e tão logo esteja seguro dos fatos não hesitarei em expor aqui o que penso.

3 comentários:

Pr. Flavio Constantino disse...

Querido Pastor Geremias,

A Paz do Senhor,

Hoje tive a oportunidade de visitá-lo e olhar de perto a grandeza do trabalho que o senhor e a igreja tem realizado na cidade de Teresópolis.

Tomei a liberdade de colocar no meu blog algumas fotos e informações que penso ser necessárias.

Apesar de suas muitas atividades principalmente nesse momento, quando puder faça uma visitinha por lá.

www.pastorflavioconstantino.blogspot.com

Um grande abraço,

No Amor de Cristo,

Pastor Flavio Constantino.

Pastor Geremias Couto disse...

Caro pastor Flavio:

Foi uma enorme alegria recebê-lo em nossa igreja, embora ainda consternados pelo drama que Teresópolis e outras cidades da região serrana enfrentam.

Registro, também, os profundos agradecimentos de igreja e sua liderança pelas doações enviadas por sua igreja e que certamente abençoarão muitas vidas em nossa cidade.

Por último, para nós é muito importante quando vêm irmãos e líderes de fora para que possam testemunhar "in loco" o trabalho que está sendo feito. Isto nos impõe maior responsabilidade em bem administrar a despensa que Deus colocou sob os nossos cuidados.

Passarei agora lá no blog.

Recomendações à família.

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Prezamigo pr. Geremias do Couto,

A paz do Senhor!

Triste saber do ocorrido a esta região serrana que sempre admirei pela grandeza de suas estradas e poder-se ver as maravilhas de Deus.

Na minha última viagem ao Brasil, estive em Friburgo, apenas por menos de uma hora, para matar a saudade, e agora sinto a dor dos muitos que sofreram pelo ritmo irresponsável de governos de mentirinha.

Graças a Deus por sua vida e a dos que estenderam suas mãos, neste momento de extrema necessidade.

O Senhor seja contigo, nobre pastor na multiplicação de recursos!

Grande alegria senti ao saber da visita e apoio do pr. Flávio Constantino.

O menor de todos os menores.