sábado, 30 de outubro de 2010

Nem Dilma nem Serra: a hora é do povo brasileiro

A hora da reflexão diante da urna
Em véspera de eleição, nada melhor do que algumas rápidas análises que retratem os últimos momentos da campanha, enquanto refletimos sobre o nosso papel diante da urna neste domingo, dia 31 de outubro, que não será a hora de Dilma nem Serra, mas a nossa vez de fazer a escolha soberana. Apenas uma curiosidade: nessa data festeja-se o halloween, com suas tradições pagãs, e a reforma protestante. Que celebração poderá ter mais influência nos destinos do Brasil a partir de segunda-feira? Dito isto, às notas:


Trackings internos apontam rigoroso empate técnico

O que falarão as urnas?
Continuo achando a eleição indefinida. Embora os institutos de pesquisas mostrem Dilma como provável eleita, não é o que dizem os trackings internos dos dois partidos, que revelam rigoroso empate técnico. Não nos esqueçamos que, no primeiro turno, esses arautos dos números erraram feio, prevendo que a fatura seria liquidada no dia 3 de outubro. Já tinha até festa preparada na Esplanada dos Ministérios. A título de exemplo, em São Paulo Netinho aparecia com 33% e Aloysio Nunes com 25% para o Senado, no dia 25 de setembro. Quem ganhou? Você já sabe. A vitória não será por nocaute, seja quem for o eleito. Será por pontos. E com essa margem de erro apertada, as chances de Serra são iguais ou melhores do que as da Dilma. Parece que os indecisos ficaram mais animados com o candidato do PSDB ontem no debate. É esperar para ver. Mas continuo com a minha matemática: a diferença entre o primeiro e o segundo colocado não será mais do que 2% ou 3%.


Entre o Bispo Macedo e o Papa Bento XVI fico com o último


Papa apoia bispos

Enquanto Bento XVI, em encontro com bispos católicos brasileiros, faz veemente apelo contra a descriminação do aborto, exortando-os a orientar os católicos, "mesmo em matérias políticas", e afirmando que a democracia só é legítima quando "reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana", o Bispo Macedo segue o caminho contrário e defende descaradamente o aborto como instrumento legítimo para o planejamento familiar. Como não o considero evangélico (alinho-me à posição oficial da Igreja Presbiteriana), não o apoio em qualquer outra coisa, muito menos nessa. Ele está a milhares de quilômetros de distância do evangelho, enquanto o Papa, em que pese os pontos de divergência dos evangélicos com a doutrina católica, nada mais faz, nesse quesito, do que expressar um ponto central da fé cristã,  da dignidade humana e da ética comportamental. Não há a menor dúvida: fico com o Papa. 



Falta posicionamento institucional das denominações
Macedo: o abortista

Só lamento que, embora vozes do meio evangélico se tenham publicamente posicionado, elas o fizeram em caráter pessoal. Faltou a manifestação institucional de todas as denominações. Macedo, o não-evangélico, falou em nome da IURD. Bento XVI dos católicos. E em nome da Igreja Batista? Da Igreja Presbiteriana? Da Assembleia de Deus, para ficar só com algumas? Nossas lideranças precisam estar mais presentes institucionalmente, quando se trata de defender valores da cosmovisão cristã. A Bíblia rejeita posições dúbias, que preferem a sombra do "politicamente correto". À igreja de Laodiceia disse o Senhor: "Porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca". Não podemos ser movidos pela conveniência, mas pelos princípios que norteiam os fundamentos de nossa fé. Sob o abrigo de uma falsa neutralidade, há muita omissão. É preciso aprofundar mais a institucionalidade da igreja. 


Em que cartilha Dilma reza: a do PT ou a de Bento XVI?

Dilma: "a crença é dele"
Bento XVI já deu o seu recado. Ficou mais do que provado que o suposto panfleto contra o qual o PT guerreou a ponto de o TSE determinar a sua apreensão (ilegítima e inconstitucional) espelhava ipisis literis a declaração aprovada pelo Conselho Regional Sul I da CNBB, que orientava os católicos a não votarem em candidatos que fossem favoráveis ao aborto. É tanto que o Bispo de Guarulhos entrou com representação junto ao Tribunal Superior Eleitoral. O panfleto não era apócrifo e agora acabou abonado pelo próprio Papa. O que fez Dilma, a recém-convertida ao catolicismo? Disse que essa era "a crença dele". Mas não foi ela que insistiu em provar a sua fé, comparecendo a eventos religiosos e escrevendo até mesmo uma carta aos evangélicos para afirmar que é "pessoalmente" contra o aborto? Então, se a "crença é dele", isso quer dizer que não é a mesma sua? Fiquei confuso. E o que significa esse advérbio "pessoalmente"? Hum... Isso é muito sintomático! Afinal, ela reza pela cartilha do Papa ou do PT? Preciso compreender bem isso, porque alguns blogs petistas dizem com todas as letras: "A Igreja é contra o PT. Vamos combatê-la". De que lado ela vai ficar?


Enquetes dão vitória a Serra no debate da Rede Globo
Tendências das enquetes

Apesar de as enquetes não terem rigor científico, elas espelham a opinião das pessoas que respondem aos seus questionários e revelam tendências. No exato momento em que escrevo esta nota (03:30 da manhã de 30 de outubro no Brasil), Serra segue como o vitorioso no debate da Rede Globo. Anote: Veja (Serra 77% e Dilma 20%); Folha (Serra 55% e Dilma 45%). Um dado interessante: os indecisos que participaram do debate a convite da emissora aplaudiram Serra de pé ao final de suas considerações. Será que vai acontecer o mesmo em todo o Brasil? Não importa quem vença, este blog estará na trincheira em defesa da liberdade de expressão, da liberdade de culto e da dignidade humana  contra toda forma de opressão. Esta voz jamais se calará!

10 comentários:

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro amigo e pastor Geremias do Couto,

A Paz do Senhor!

O amado se posicionou com convicção, transparência e exposição daquilo que pensa. Não camuflou, nem tergiversou (essa veio para ficar heim?), ao contrário, foi claro.

Agora, o resultado a Deus pertence!

Como hasteei a mesma bandeira, posso brincar:

É bom que antes de votar, fiquemos 45 minutos em oração, agora, quem não gosta de orar e acha que é muito tempo, que fique só 13 minutos.rsrs

Brincadeirinha!rsrrs


Um grande abraço!

Seu conservo,
Pr. Carlos Roberto

disse...

Bom dia. Muito bom seu artigo Pr Geremias. É lamentável não termos lideres que fale por nós em favor dos valores cristão,pois são todos divididos. Cada um puxa para os eu lado. Se posicionam e fazem por questões próprias. Lamentável. Paz!

Marcilio disse...

Prezado,Rev Geremias sou presbiteriano, voto em Dilma, em relação a IPB - Igreja Presbiteriana do Brasil , a mesma através de seu órgão máximo o Supremo Concilio , deliberou emm não se posicionar em relação ao nenhum candidatos inclusive candidatos membros da igreja, concordo PLENAMENTE com a igreja nesse sentido, essa afirmação pode ser conferida no portal da igreja, considerando que a IPB é uma igreja federada, onde o principio da Hierarquia tem que ser respeitado, nenhum pastor pode falar pela instuição, a não ser pessoalmente, bem como não pode usar o pulpito para pedir voto seja lá a que candidato for, pessoalmente pode ser feito como fez o Rev: Guilhermino Cunha Pastor da Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro, fez pessoalmente, discordo do Senhor em relação a quem deve-se votar, pois penso da seguinte forma, em matéria de vida civil, posso RELATIVAR a opinião de qualquer pessoa, inclusive de pastores, o que não posso e nunca relativizarei é A PROFECIA REVELADA, a Biblia essa não, mais as demais opiniôes posso e devo relativizar sim, ou seja da mesma forma que se arguentar a favor do Serra , pode-se e deve-se argumentar a favor da Dilma é um tratamento ISONOMICO, espero que mais uma vez PREVALEÇA A DEMOCRACIA, O ESTADO LAICO, concordo com Lula o BRASIL É LAICO, não tem e não pode ter RELIGIÃO, não pode ser REFÉM de grupo sejam eles religiosos, evangelicos ou não, A República como instituição é maior que qualquer LIDER/ POLITICO / GRUPO SOCIAL, afinal todos vão passar mais a Instiutição permanece, espero que DILMA ganhe, mais RESPEITAREI A VONTADE DAS URNAS, se forem contrarias , e se espera que a RECIPROCA SEJA A MESMA se for o inverso, no mais acho que a igreja evangelica saiu mais dividida do que entrou na eleição, já temos e não tinhamos unidade doutrinaria/ ética e muito menos politica. Se depender-se dos evangélicos brasileiros DEUS teria candidato e entraria na eleição, que evangelho barato, pobre de idéias temos no Brasil, mais não se pode esperar muito afinal o que mais se tem é EVANGELHO DE PRATELEIRA, onde voce vai no mercado e compra o que melhor lhe apraz,TIPO,,,UNÇÃO DOS ULTIMOS DIAS; BIBLIA VITORIA FINANCEIRA/ o Silas Malafaia que o diga...desse tipo de evangelho e evangélico pode-se esperar tudo.

vagner ribeiro disse...

Pastor Geremias eu votei na Marina no primeiro turno. Ao ver o que o pastor Escreveu que não devemos ser dúbio nem morto, entendi porque o Pr. Silas Malafaia ficou indignado com a marina, porque ela, ao cogitar a possibilidade de plebiscito, para o aborto, ela não foi morna e dúbia?

Pastor Geremias Couto disse...

Caro amigo e pastor Carlos Roberto:

Pois é, agora só nos resta definir o tempo que queremos passar em oração amanhã, se 45 ou 13 minutos (rsrsrs).

Brincadeiras à parte, demos a nossa contribuição ao processo democrático e também saímos da defensiva, como estávamos antes, em defesa dos valores da cosmovisão cristã. Creio que nossos blogs fariam muito bem se continuassem nessa trincheira nos próximos anos.

Seja quem vença, precisa entender que a sociedade brasileira se manifestou de maneira muito clara, nestas eleições,que não gostaria de ver esses princípios sendo tripudiados.

Até amanhã no Brasil!

Abraços!

Pastor Geremias Couto disse...

Prezado Marcílio:

Embora o seu perfil esteja indisponível, ou seja, não há como identificá-lo no blogger, quebro mais uma vez a minha regra para dar voz à discordância. Mas se você deseja estar na blogosfera, não acha melhor que possamos conhecê-lo?

Está implícito no meu texto que não pedi aos líderes dessas denominações qualquer manifestação em favor deste ou daquele candidato. Minha tese refere-se à defesa dos valores da cosmovisão cristã, como se encontram na VERDADE REVELADA, e que não podem ser relativizados. Ou tomamos posição firme neste ponto ou vamos ver situações como a que aconteceu recentemente nos EUA, nesta era obamística, em que uma mulher cristã pôs anúncio no quadro de avisos da igreja, querendo partilhar a casa (roommate)com outra mulher que fosse cristã, e está sofrendo processo judicial por preconceito.

Não acho que os evangélicos sairão divididos. Eles já o são. Mas creio que questões como a dos valores poderiam ser um instrumento de unidade. Sempre fui idealista e acho que esta é a nossa grande falha, pois na área do evangelismo cada denominação cumpre o seu papel, umas de maneira bíblica, outras com qualquer outra coisa, menos evangelho, mas na hora de se posicionar em questões em que a igreja é voz profética, há esse silêncio institucional ensurdecedor.

Em sequência, assim como o rev. Guilhermino Cunha se posicionou pessoalmente em apoio à candidata Dilma, os que apoiam Serra não podem? Não digo que este seja o seu pensamento, mas essa é uma característica do PT: nós podemos tudo, inclusive burlar as leis, impor o pensamento homogêneo, aos outros tudo é proibido, inclusive se manifestar.

Não creio, também, qe se o Serra, porventura, ganhar, terá uma postura de antagonismo. Mas sinceramente tenho minhas dúvidas com o PT na oposição!

Termino, repetindo: princípios não se relativizam. É esse relativismo que está destruindo muitos países, entre eles o Brasil.

Abraços e bom voto amahhã.

Ruben Jump disse...

O importante é notar que o problema não é Dilma, e sim, os que estão atrás dela e seu programa de governo! Dilma é o PNDH-3!

Marcilio disse...

Prezado, Rev:Geremias do Couto, entendi e respeito suas indagações, quanto a questão do meu perfil, esclareço que não tenho blog, nem página, orkurt conheci o blog do senhor por indicação de um amigo,mais não quiz em momento algum criar um mal estar, quanto a IPB só tenho conhecimentos de 2 pastores que se pronunciaram publicamente, o Rev: Guilhermino Cunha e o Rev: Silas Menezes de Recife, um Dilma e outro Serra, sou favoravel que seja dado o direito ISONOMICO a todos,conheço pessoalmente os pastores e nenhum deles pelo menos para mim, não mudei o meu conceito e respeito por eles, entendo que á apenas convicção, simpatia pelas propostas dos candidatos, quanto a questão dos PRINCIPIOS, não se nega a e relativiza o que a Biblia estabeleceu (principios) biblicos concordo plenamente, aborto concordo parcialmentenapenas com o que a legislação atual brasileira permite,casamento gay não se tem como negociar, impossivel, ( união civil pode ser discutivel) apenas no aspecto do judiciário) voto no PT mais não fecho 100% com suas propostas, apenas como cidadão entendo,que apesar de achar que tem que ter alternancia no poder, para oxigenar a democracia,nesse momento ENTENDO que a Dilma, seria a melhor opção, mais como disse, é entendimento meu, não é e nem será verdade absoluta,é mais um ato de dá um voto de confiança ao projeto do PT, não acreditando e concordando em 100% com suas propostas, tipo a PL 122, um como Advogado. entendo inclusive ser INCONSTITUICIONAL, que o Supremo Tribunal Federal, bem provável a derrube se vier a ser lei..
digo provavel pois o STF é um tribunal politico, mais tenho que acredita como pessoa do direito, nas instituições, no estado democratico de direito,e o Supremo acredito que não se furtará quando acionado.No mais o próximo presidente seja quem for, terá um desafio bem maior que seus antecessores, precisará das nossas orações e do apoio da sociedade.
um abraço, e respeitosamente em momento algum repito quiz, trazer desconforto ou mal estar, não foi essa minha intenção, se passou essa impressão, peço humildemente, desculpas.

Pastor Geremias Couto disse...

Caro Marcílio:

Não há do que se desculpar. Quando assumimos posições públicas, temos de estar abertos ao contraditório e respeitá-lo, mesmo que não se concorde com ele.

Seus esclarecimentos aclaram muito o comentário anterior. Só gostaria, sinceramente, que você não votasse no PT. Mas respeito o seu direito.

Abraços e bom voto!

Maria de Fátima disse...

Eu acho um absurdo Marco Feliciano ser deputado,um homem chamado para ser pastor de ovelhas,trocar o púlpito pela política.Para mim,perdemos um pastor