quarta-feira, 24 de outubro de 2007

PARTICIPE DA NOVA PESQUISA SOBRE AS PROMESSAS DE DEUS

"Quem tem promessa de Deus não morre". Esta é a frase que mais se ouve hoje em muitas pregações motivacionais. Mas esta frase expressa, de fato, a verdade da Palavra de Deus? Participe da pesquisa ao lado e dê também a sua opinião nos comentários.

16 comentários:

Gutierres Siqueira, 18 anos disse...

Na última aula de EBD, eu falei sobre esse novo "versículo" que permeia nas músicas e pregações triunfalistas em nosso meio. Falei que essa afirmação não tem base bíblica e criou até uma certa polêmica.
Por que essa afirmação não é bíblica? Na espístola aos Hebreus, o escritor lista vários heróis da fé e as suas vitórias, mas no final da lista, o autor cita herois da fé "que o mundo não era digno" e que sofreram bastante nessa vida. Então o texto conclui: "E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa,
provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles sem nós não fossem aperfeiçoados"(Hb 11.39-40).
E possível, um verdadeiro cristão morrer sem ver algumas promessas, pois há um propósito maior para a vida desse crente, segundo a soberania de Deus.

Gutierres Siqueira
www.teologiapentecostal.blogspot.com

Eliseu Antonio Gomes disse...

Pr Geremias

A sua pesquisa:

"QUEM TEM PROMESSA DE DEUS NÃO MORRE". ESTA É A FRASE QUE MAIS SE OUVE, HOJE, EM MUITAS PREGAÇÕES MOTIVACIONAIS. VOCÊ ACREDITA QUE ESTA FRASE EXPRESSA, DE FATO, A VERDADE DAS ESCRITURAS?

A minha resposta é: Sim, eu creio expressar, realmente, a verdade da Escritura.

Porém, é necessário explicar a resposta porque a pergunta deixa margem às ambíguidades.

Na Palavra Santa conheço dois sentidos para o termo morte. Morte física e morte espiritual.

Jesus mencionou os dois sentidos dela em Mateus 8.22: Deixe os mortos enterrarem os seus mortos".

Jesus é Vida. Quem não O aceita não tem a promessa da vida eterna (João 3.16-19). Essa é a promessa do jargão crente que tem a promessa não morre. Fala da morte espiritual.

Creio em Deus e no Senhor Jesus Cristo como meu único e suficiente salvador. Aceito a vida eterna através do Filho Unigênito pela misericórdia do Senhor. Não vou morrer, espiritualmente, por causa disso.

Elaborei e postei um texto sobre o assunto no blog UBE.

Pastor Geremias do Couto disse...

Caros Gutierres e Eliseu:

Obrigado por suas participações. Como se trata de uma pesquisa proposta por este blog, deixarei para manifestar-me apenas depois de concluída.

Assim, continuo apenas a ouvir o que dizem sobre o assunto os que me dão a honra de freqüentar este espeço.

Abraços

valmir.milomem disse...

Pr. Geremias,

Pergunta importante essa, inclusive venho tentando debate-la, e essa é um ótima oportunidade.

Inicialmente precisamos levar em consideração as diversas variáveis que a pergunta comporta, ou seja, qdo se analisa a possibilidade da morte de um pessoa ante a promessa de Deus, devemos separar algumas possíveis situações, quais sejam:

1) A pessoa que recebeu a promessa desviou dos caminhos do Senhor: Obviamente que nesta situação o promissário pode morrer, eis que as promessas (no caso as individuais) são condicionais, então, qdo a pessoa desvia ela não cumpriu com a sua parte.

2) A pessoa que recebeu a promessa não desviou, porém, não aceitou as promessas de Deus, ou seja, saiu da vontade dele no que tange aos seus desígnios - Nessa possibilidade, também, entendo que o promissário pode vir a falecer, extamente por ter seguido o livre arbítrio e não ter aceito as divinas promessas.

3) A pessoa que recebeu a promessa não desviou e nem saiu da vontade de Deus no que tange à promessa - Nesse caso é que o debate se complica, entendo que aqui o debate se torna mais caloroso, pois, devemos considerar que Deus é fiél, e a pessoa tb têm se mantido fiél.

Apesar de aparentemente a reposta ser um não, de forma que a pessoa não venha a morrer enquanto a promessa não se cumprir, posto que mantem-se nos planos de Deus, entanto, se assim entenderemos estaremos atribuído ao promissário, pelo menos temporariamente, a condição de imortalidade, enquanto a promessa não se cumpra. Assim, segundo a palavra de Deus, não vejo possibilidade de uma pessoa ser imortal, mesmo que temporariamente, malgrado fundamentado na promessa.

Obviamente que o tema é tormentoso e levanta vozes de todos os lados, mas afirmo meu entendimento no sentido de que em todas as situações é possível que o promissário morra.

Volto ao assunto mais adiante.

Valmir Milomem

Carlos Roberto Silva, Pr. disse...

Caro Pr. Geremias do Couto!
Graça e Paz!
Em que pese ter entendido perfeitamente a postura do irmão e amigo Elizeu Gomes, diante de uma interpretação estritamente esíritual, sou levado a concordar completamente com o comentário do nosso irmão Gutierrez.
Falo por mim, mas acredito que, outros tantos pastores pensam também igualmente:
Amamos e queremos o melhor para todos, no entanto, o efeito causado pelo supracitado jargão nas pessoas leigas, é exatamente o que disse Gutierrez.
Como pastor, não raras vezes temos que estar respondendo perguntas e confortando pessoas que foram decepcionadas por terem acreditado, não da forma que o irmão Elizeu interpretou, mas da maneira literal (morte física).
Acredito que o comentário aqui de Elizeu Gomes, bem como seu artigo no blog da UBE, não denigre nossa linha de pensamento, mas acrescenta um sentido real que infelizmente os referidos pregadores não teem ensinado em nossos púlpitos. É justamente isso que tem gerado distorções na mente de muitas pessoas, pois se sentem como que vendo miragens no deserto, ou seja, poderiam até fazer reclamação no PROCON DIVINO.
Desculpe a comparação, mas é só para me fazer entender.
Amigo e irmão Elizeu Gomes, em tendo convicção que estou pensando errado, é meu dever reconhecer e mudar de rota. Estou aberto para tanto, porém não é o que aconteceu por enquanto, pelo menos nessa questão.
Repito, entendí perfeitamente seu posicionamento, porém o mesmo só acrescenta o que já penso.

Oziel Alves Cavalcante disse...

Concordo com a lista do irmão Valmir. Apenas adiciono que a 3ª possibilidade listada pelo irmão pode ser dividida em duas, ambas colocadas aqui numa única pergunta:
Há a necessidade de a pessoa estar viva para o cumprimento da promessa? Se sim, me corrijam usando a Bíblia se estiver errado, mas não encontro qualquer objeção da Palavra à afirmação de que o promissário manter-se-á vivo. Até porque a soberania de Deus não conflita com Seu caráter fidedigno. Se porém, a resposta for negativa, naturalmente há a possibilidade da pessoa morrer antes, sim.
Possibilidade claramente ilustrada no capítulo 11 da carta aos Hebreus. Os versículos 13 e 39, falam de heróis da fé que morreram sem terem recebido suas promessas. Porém, não é dito que as promessas não foram cumpridas.
O contexto da expressão “promessas” do versículo 13 fala de promessas materiais como terra e descendência (8-9, 12) e espirituais como a pátria celestial (10, 13b-16). Abraão, por exemplo, morreu possuindo de fato, apenas o campo de Macpela (Gn 23), e sua descendência estava longe ser comparada às estrelas, mesmo incluindo aí os filhos fora da promessa, uma vez que o concerto fora com Isaque (Gn 17.19-21).
Entende-se ainda que estes versículos, principalmente o 39 (note o artigo definido singular, “a promessa”), falam também da graciosa promessa do redentor do homem, anunciada no Éden.

Elian Soares disse...

Amado Pastor Geremias,

Louvo a Deus por vossa vida e pelos textos da lição deste trimestre!

Estou professor da EBD, classe dos Jovens na Assembléia de Deus do meu município. Lembro q li seu artigo "As promessas de Deus: tema das lições bíblicas para o quarto trimestre" publicado sexta-feira, 24 de agosto de 2007. Confesso q me impressionei com a sinopse da lição e na Escola Dominical seguinte fiz a propaganda. Pra minha surpresa, mais de 50% dos alunos adquiriram a lição bíblica!

Bom, quero fazer uma consulta teológica baseada na lição 3, “A Promessa da Salvação”. No tópico I. A NECESSIDADE DA PROMESSA, item 3. O Propósito da Promessa, mostra que qualquer pecador pode ser salvo aqui e agora, sem a necessidade de cumprir algum tipo de ritual para alcançar os benefícios da graça de Deus. Entre os tais rituais, está o da MALDIÇÃO HEREDITÁRIA.

A lição estava agendada para ser lecionada no dia 21/10/2007. Considerando que boa parte dos nossos alunos são universitários e poderia produzir um debate construtivo acerca do tema, resolvi pesquisar sobre o assunto. Busquei, então, o auxílio/subsídios nos artigos do teólogo assembleiano Ciro Sanches (Artigo “Existe MALDIÇÃO HEREDITÁRIA?” Vide: http://cirozibordi.blogspot.com/2007/10/existe-maldio-hereditria.html ) e do escritor Paulo Romeiro, que segundo a própria CPAD, em entrevista para a Revista Resposta Fiel ( http://www.cpad.com.br/cpad/2trim06/sub_licao_008_entrevista.htm ), é um dos maiores nomes da Apologética cristã no Brasil, defendendo a mesma teologia da Assembléia de Deus. Consultei o livro “Evangélicos em Crise”, de Romeiro.

Resumindo, após alguns questionamentos, chegamos à conclusão q a MALDIÇÃO HEREDITÁRIA seria mais um ensino distorcido e não tem apoio bíblico.

Ora, uma semana depois tivemos um CONGRESSO DE JOVENS. O Preletor, no meio sua pregação, afirmou que havia participado, há algum tempo atrás, de uma cruzada com o saudoso Bernard Jhonson, que orientou os ouvintes a fazer a “quebra da maldição hereditária” e, em ligeiras palavras tocou no assunto.

Veja que problema ficou para mim, na condição de professor! Risos. Logo no final do culto, uma aluna universitária me abordou e tocou no assunto! Bem, reafirmei q não concordo com a falácia da maldição hereditária! Tentei justificar a colocação do pregador como q ele estivesse debaixo da maldição do pecado (não necessariamente hereditária), pois, naquela oportunidade ainda não tivera um encontro com Cristo. No entanto, depois de salvo, não existiria nenhuma condenação para os que estão em Cristo Jesus, as coisas velhas passaram e tudo se fez novo! Bom, a aluna encerrou o assunto, lembrando alguns versículos que sempre enfatizo nas aulas de assuntos polêmicos: Gálatas 1:8,9.

Mas não ficou por aí! No dia seguinte o pregador, através de “revelação”, chamou uma jovem (crente há alguns anos), à frente e disse que ela era vítima de maldição hereditária! Dessa vez doeu! E agora? Qual seria minha justificativa na próxima escola bíblica, já que dessa vez a incidência seria numa pessoa crente em Jesus?

Diante do exposto, considerando que na próxima semana, possivelmente serei interrogado, gostaria de ter o seu parecer sobre o assunto.

- A maldição hereditária existe?
- Existe uma dimensão, caso, condição, estado, para que ela incida sobre uma pessoa?
- No caso de ser uma pessoa descrente, existe a possibilidade de estar debaixo da “maldição hereditária”?!
- Ou definitivamente é uma invenção, uma heresia!?

Sempre alerto aos meus alunos sobre o que assistem, lêem e ouvem, ressaltando que não devemos considerar tudo verdadeiro sem um prévio exame à luz da palavra, como faziam os bereianos (Atos 17.11, I Tessalonicenses 5:21).

Creio q o vosso parecer me ajudará bastante.

Em Cristo,

Elian
Monte Alegre de Sergipe/SE
elianbrother@hotmail.com

Pastor Geremias do Couto disse...

Caro Elian:

Farei comentário pormenorizado depois, mas para antecipar minha posição, afirmo:

1. Não existe maldição hereditária (Ezequiel 18). É heresia! É só ler a história dos reis de Israel. Enquanto o pai era sanguinolento e mau, o filho que o sucedia era piedoso e temente a Deus. Ou seja, nunca houve um vínculo de maldição entre um e outro.

2. Não é verdade que o pastor Bernhard Johnson tenha defendido essa heresia. Tive a honra de começar o meu ministério pelas suas mãos, como evangelista associado à Cruzada Boas Novas, e o acompanhei de perto por alguns anos, e sua pregação sempre foi bíblica. Nunca o vi a defender esse tipo de ensino, mesmo depois de deixar a Cruzada ao transferir-me para a CPAD. Bernhard Johonson nunca precou maildição hereditária.

É um erro crasso pregadores citá-lo dessa forma sem terem conhecido a sua história, como Deus me deu o privilégio de conhecê-la.

Espero que, por agora, eu possa tê-lo ajudado. Assino embaixo do que disse tanto Ciro Zibordi quanto Paulo Romeiro.

Deus lhe abençoe.

joão cruzué disse...

.

Pastor Geremias

A Paz do Senhor Jesus. Tenho um assunto para tratar com o irmão e preciso fazê-lo por e-mail

por favor, cruzue@gmail.com

Lembranças e a Paz par sua Família


.

Pastor Geremias do Couto disse...

Caro irmão Cruzué:

Já lhe retornei por email. Fico no aguardo.

Deus lhe abençoe

Isael de Araujo disse...

CHEGOU O DICIONÁRIO DO MOVIMENTO PENTECOSTAL


Veja como foi o primeiro evento de lançamento no Rio de Janeiro.
Acesse agora o blog:

http://dicionariomovimentopentecostal.blogspot.com

Adicione o blog do Dicionário em seus Favoritos. Divulgue-o para os seus amigos. Será um prazer ler e publicar os seus comentários.

Rinaldo disse...

Apaz do Senhor, pastor Geremias, Louvo a Deus pela sua vida.

Sou diácono da Assembleía de Deus em Monte Alegre de Sergipe/Se, estou Superintendente da Escola Biblica. fiquei maravilhado com o assunto deste trimestre, sobre as PROMESSAS DE DEUS.É bem verdade que muitos pregadores estão levando a vida pregando emocionalismo, e esta frase, Quem tem promessa de Deus não morre, ouvimos todos os dias inclusive nos púlpitos das Assembléias de Deus, e somos surpreendidos com alguns alunos que fazem perguntas, buscando argumentos.tenho respondido que as promessas de Deus,elas são condicionais. Como Nordestinos temos um audágio popular que o "se" atrapalha muito Para que as promessas de Deus nops alcance tem o "se" IICr. 7.14 E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.A Biblia diz em Nm.14.9 Tão-somente não sejais rebeldes contra o SENHOR, era a condição para entrar na terra, era o povo da promessa mas, só entrarão na terra Josué e Calebe. Para mim é de suma importancia a sua ajuda com comentarios que venha nos enriquece.
Que Deus nos abençoe
José Rinaldo de Santana

Pastor Geremias do Couto disse...

Com o encerramento da enquete ontem, que registrou 266 entradas em pouco mais de 20 dias, estarei postando esta semana meu comentário acerca desse já desgastado chavão: "Quem tem promessa não morre".

Abraços!

Manassés Barreto disse...

Pastor Graça e Paz.´
Foi uma pena eu não poder participar da enquete,mas deixo aqui meu comentário.
Sou membro da Igreja Evangélica Assembléia de Deus há 16 anos aqui na Bahia em Salvador,sem contar os 15 anos de nascido e criado nesta denominação,quero afirmar aqui que esta expressão nem sempre funciona,pois na Palavra de Deus está escrito que houve servos de Deus que morreram sem verem a promessa de Deus ser cumprida em suas vidas. Hebreus 11;39 E TODOS ESTES, TENDO TIDO TESTEMUNHO PELA FÉ, NÃO ALCANÇARAM A PROMESSA,

celioalves5 disse...

a paz do senhor.
nesses dias finais da igreja de cristo na terra surge muitas heresias em nosso meio, quem tem promessa nao morre" ta se tornando refúgio fácil de crentes relaxados que nao querem obedecer à palavra de Deus e isso faz com q esses tais andem a procura de profetas para predizerem suas vidas futurar.
a verdade é que estamos nos dias finais, nao ha quem dê conta de conciliar os rebeldes que querem receber promessas de Deus sem mexer nenhuma palha.
obrigado.

Paulo Aragão disse...

Este chavão tão repetido baseia-se na promessa que Deus deu a Simeão em Lucas 2,26: "E fora-lhe revelado, pelo Espírito Santo, que ele não morreria antes de ter visto o Cristo do Senhor". Realmente Simeão não morreria, enquanto tal promessa não se cumprisse, o que realmente aconteceu. Quando Simeão viu ao Senhor menino, ele se conformou imediatamente em morrer, pois disse: "Despedes em paz o teu servo". (v.29)Eu creio firmemente que se alguém tem a vida de Simeão, temente a Deus, cheio do Espírito Santo e recebe uma promessa DE DEUS, realmente não morre antes da promessa se cumprir. o xis da questão aqui é saber se realmente a pessoa recebeu uma promessa de Deus ou simplesmente entendeu ter recebido, através de algumas das muitas nuances de "promessas" que temos em nossas igrejas.