quinta-feira, 26 de abril de 2007

Direitos e deveres: de que lado você está?

Hoje vivemos a era dos direitos. Pouco se fala em deveres. Só uns poucos que ainda acreditam em tal atitude – a dos deveres – se atrevem a mencioná-los também como parte das relações humanas. Mas, de modo geral, o que se vê é a luta por direitos e mais direitos não importando se os direitos alheios fiquem sacrificados. Numa sociedade assim o caos se instala. Ninguém quer assumir obrigações, mas todos querem desfrutar de direitos. O resultado é a anarquia.

O argumento para isso é que vivemos numa democracia, como se ela fosse o guarda-chuva para o desrespeito ao direito alheio, o abuso da liberdade, a remoção de limites e a desestabilização da autoridade. Democracia, em síntese, é o governo do povo mediante os instrumentos legítimos que ela dispõe ao cidadão para que ele se manifeste no estrito limite da lei. Não é um convite à baderna e à agressão. Nela as vozes discordantes se manifestam livremente, desde que permaneçam no campo das idéias e dos fatos e se submetam as normas jurídicas, caso ultrapassem os limites legais e caiam no terreno da calúnia, injúria ou difamação. Há direitos. Mas há também deveres.

O que não pode é alguns usarem o direito de expressão para atacar, denegrir ou caluniar sem que depois queiram ouvir a réplica, mesmo discordante, mas em tom respeitoso e cordial. Infelizmente, alguns usam esse recurso para dizer o que querem, inclusive com suposições fora da realidade, beirando à calúnia, injúria e difamação, mas quando a outra parte se manifesta, no seu livre direito de resposta, é logo atacada de forma irresponsável e acintosa. Querem direitos, mas não se submetem ao dever de também ouvirem o que os outros pensam e dizem.

Isso aconteceu comigo no último fim de semana. Fiz, no orkut, uma postagem na comunidade do pastor José Wellington Bezerra da Costa, reeleito na última semana como presidente da Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil. Foi a primeira vez que manifestei minha opinião naquele espaço, mesmo lendo em várias ocasiões comentários desairosos contra o pastor José Wellington e os que lhe apoiaram e apóiam. Descrevi apenas o que presenciei nos meses que antecederam aquela Assembléia Geral e a maneira como o então candidato concorrente agiu, tentando passar o “rolo compressor”, com “métodos” viciados e suspeitosos da política secular, contra a candidatura do presidente reeleito. Ative-me apenas aos fatos e usei linguagem respeitosa. Mas foi o que bastou.

Para minha surpresa, vários inconformados postaram “scraps” em meu profile com linguagem agressiva e desrespeitosa, usando até palavras ofensivas e de baixo calão, algo incomum entre o povo de Deus. Mas aprendi com o pastor João Kolenda Lemos a ter pele de rinoceronte, que absorve o impacto das pedradas sem esboçar reação. Não respondi aos que me ofenderam. Não lhes proferi nenhuma palavra. Fiz como Neemias e continuarei aplicando o seu princípio de vida: “Não poderei descer...”

Mas a mim ficou clara uma coisa: eles só querem direitos, não os legítimos, que implicam também em deveres, mas aqueles que não existem, pois não estão contemplados na lei nem nos princípios que regem as relações humanas: o “direito” de falarem qualquer coisa sem aceitarem ouvir; o “direito” de denegrirem e caluniarem sem permitir que a outra parte os refute com fatos e não com palavras ocas; o “direito” de distorcerem a verdade, sem aceitar que a parte contrária os desminta, enfim, a quem diverge o silêncio, a mordaça, a palavra cassada, sem contemplação. Tal comportamento não se trata de direito, mas uma recusa ao dever, ao contraditório assegurado por qualquer norma legal em países democráticos.

Direitos e deveres estão no mesmo nível e desse equilíbrio se faz a convivência entre os seres humanos.

Amanhã falarei sobre democracia e autoridade na Igreja.

5 comentários:

Carlos Roberto Silva, Pr. - Cubatão SP disse...

Olá Pastor Geremias!
Graça e Paz!
É lamentável a atitude que esses internautas aliados ao concorrente do Pr. José Wellington tiveram com o irmão. Suas expressões, infelizmente retratam seu interior. Infelizmente esse grupo não estava preparado. Não era a hora. Se for da vontade de Deus, quem sabe, um dia chegue esse momento. É preciso amadurecimento e amortecimento dessa ganância pelo poder. Como o irmão sabe, sofri muiot por isso, e ainda estou tratando das sequëlas, mas Deus está dando vitória! A um alto custo conseguí, graças a Deus, manter a postura. Tive o privilégio de ter a confissão de um dos integrantes do grupo, que sabia que estavam agindo de maneira erada e o seu coração também não aceitava aquilo.
Parabéns pelo artigo!. Pastor Carlos Roberto - Cubatão-SP

André disse...

A paz de Cristo pastor Geremias.

Parabéns pela sua postura íntegra diante dos acontecimentos que lhe ocorreram por causa da sua escrita sincera, madura e sem ofensas.
Os fatos ocorridos recentemente só me levam a acreditar que quem passa pela conversão genuína, verdadeira do evangelho de Jesus, sabe debater sobre um tema relevante sem machucar e ferir ninguém. O verdadeiro cristão sabe expor as suas idéias de maneira sábia, sem estar sendo irônico e áspero.

MT 5.5 "Bem-aventurados os mansos, porque eles herdadarão a terra."

ferreira disse...

sabias suas palavras que DEUS continue abençoando muitissimo seu ministerio fika na paz

Pb. Aneildo disse...

Olá Pastor.

Paz do Senhor.

Sou Presbítero da Igreja Ass. de Deus em Cubatão, com o Pr. Josias e Pr. Carlos Roberto.

Eu louvo ao SENHOR por ainda existirem os remanescentes no meio do povo de DEUS, em uma geração de líderes espirituais, que na sua maioria buscam seus interesses pessoais, esquecendo-se dos interesses do reino de DEUS.
Parabéns pelo artigo, sou Crente desde a juventude estou com 42 anos e prefiro ficar com as palavras do Apóstolo Paulo em Romanos 12:2 "E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus."

PB. Aneildo- Cubatão SP.

Eliseu Antonio Gomes disse...

PELOS FRUTOS SE CONHECE A ÁRVORE
Meu irmão, essas situações ocorrem para nos entristecer...
Mas, como lemos lá em Provérbios 3, temos que manter sempre o objetivo de temer a Deus em todos os momentos da vida, nunca esquecendo que Ele dá vida longa, honra e felicidade, aos que prezam o bom senso e a sabedoria do alto.
Observação importante: Lembro que é preciso considerar que a INTERNET é um campo aberto, que esses internautas podem ser, como também não ser, pessoas que representaram às táticas apoiadas pelo pastor que concorreu contra o nosso querido José Wellington.